Rádio Observador

Tecnologia

Completa digitalização do ensino superior português debatida em Coimbra

De modo a garantir que Portugal não perde "o comboio mundial", a Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias da Informação vai discutir a digitalização do ensino nacional.

A 14.ª Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias da Informação irá decorrer entre quarta-feira e sábado

Autor
  • Agência Lusa

A completa digitalização do ensino superior português como forma de este não perder o “comboio mundial” será um tema em destaque na 14.ª Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias da Informação, que decorre em Coimbra, a partir de quarta-feira.

Para Pedro Costa, presidente da Coimbra Business School, que promove a conferência, “o ensino superior português só será competitivo a nível mundial se estiver assente em sistemas de ‘b-learning’ [blended learning], possibilitando a interação, em diferido e em tempo real, dos alunos com o sistema e com o professor”.

No futuro, haverá, “seguramente, uma mistura entre o ensino tradicional, mais teórico e expositivo, e um ensino mais prático, assente sobretudo em ferramentas tecnológicas”, no qual a interação entre alunos e professor passará a ser feita também com recurso a equipamentos informáticos (portáteis e ‘tablets’) em tempo real, considera.

A 14.ª Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias da Informação é organizada pela Coimbra Business School, em parceria com a Associação Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação e a Universidade de Coimbra. Os trabalhos decorrerão até sábado.

Esta conferência realiza-se todos os anos em Portugal ou Espanha, alternadamente, e é considerada um local privilegiado para investigadores partilharem a sua produção científica e experiência na temática dos Sistemas e Tecnologias da Informação.

A utilização de tecnologias e de metodologias recentes como a “gamificação” (adaptação de características comuns dos jogos) para captar a atenção dos alunos, motivando-os e envolvendo-os no processo de ensino e aprendizagem de uma forma dinâmica e interativa, é um dos temas a abordar.

“Esta nova metodologia, para além de exigir a utilização de materiais pedagógicos diferentes dos tradicionais, mais acessíveis e apelativos, utiliza sistemas de pontuação, ranking e recompensas de passagens de níveis e de metas, tal como acontece com os jogos de computador”, explica Pedro Costa.

Segundo o presidente da Coimbra Business School, as aulas ou algumas matérias deverão estar também acessíveis em diferido, ‘online’, de forma a possibilitar a sua visualização e alguma interação mesmo após a aula.

A realidade virtual aumentada é outra das possibilidades. “Será possível visitar ambientes geograficamente distantes, ou fisicamente difíceis ou mesmo impossíveis de realizar, como o espaço, realizar viagens históricas no tempo, visitar e conhecer ambientes industriais, etc.”, disse Pedro Costa.

Na sua opinião, também a avaliação de conhecimentos no ensino superior deverá passar a ser feita através de novos meios digitais, associados a tecnologias biométricas, de reconhecimento facial e de voz.

“Na Coimbra Business School já utilizamos sistemas de ‘b-learning’ há mais de 12 anos, com a possibilidade de consulta dos materiais pedagógicos das disciplinas e de interação com os restantes alunos e com o professor, para além de, quando é pertinente, a avaliação ser realizada através de meios digitais”, refere.

Também existem sistemas de videoconferência que permitem aos alunos frequentarem os cursos e, em tempo real, interagirem com a sala, com colegas estudantes e com professores, sem lá estarem presencialmente, sendo estes sistemas particularmente utilizados nos cursos executivos, como MBA e pós-graduações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)