A Califórnia foi devastada em 2018 pelo maior incêndio da história do Estado norte-americano. Pelo menos 88 pessoas morreram e centenas estão ainda desaparecidas. 13 mil casas foram destruídas e 620 quilómetros quadrados foram lavrados pelas chamas. Uma investigação do Departamento de Florestação e Proteção contra Incêndios da Califórnia parece agora ter encontrado a causa do incêndio: um só homem e um ninho de pessoas.

A notícia é avançada pelo El Mundo e tudo se terá passado no dia 27 de julho, no condado de Mendocino. Naquele dia, o homem tentava tapar a entrada de um ninho de vespas que estava no seu quintal com um martelo e uma estaca de metal. O californiano seria alérgico à picada de vespas. Quando martelava a estaca de metal para bloquear a entrada do ninho, saltaram faíscas. Estas caírem no terreno seco do quintal traseiro do homem, dando início ao incêndio.

Os investigadores não revelaram o nome do suspeito, mas o New York Times teve acesso aos documentos e identificou o homem: Glen Kile. O rancheiro terá reconstruido o que se passou naquele dia e lamentou o sucedido. Kile tentou apagar o fogo com terra e com uma mangueira. Nada resultou e o homem chamou os bombeiros.

As autoridades consideram Kile responsável, mas não o vão acusar. Entendem que se tratou de um acidente.

Os incêndios deflagraram no sul e no norte do Estado da Califórnia e rapidamente avançaram em várias frentes, alimentados por ventos fortes, destruindo dezenas de milhares de edifícios e obrigando ao encerramento de escolas, ao corte de estradas e à evacuação de localidades inteiras.

Na altura, Donald Trump culpou as autoridades por “absoluta má gestão”e disse que não havia motivo para “estes massivos, mortais e onerosos” incêndios. O presidente dos Estados Unidos afirmou ainda solidariedade com todos os envolvidos. “Os nossos corações estão com aqueles que combatem os fogos (…) e com as famílias”, escreveu no Twitter.