A vida das forças de segurança está longe de ser fácil. Se para ajudar as velhinhas a atravessar a rua não é necessário uma formação especial, já para perseguir criminosos há manobras que é necessário dominar com mestria. Entre elas, figura a inversão rápida de marcha.

O objectivo da manobra é perder o mínimo tempo para perseguir um criminoso que foge em sentido contrário aquele para onde o carro da polícia está apontado. O agente tem apenas de engrenar a marcha-atrás, ganhar velocidade até um determinado valor (que dependente da aderência dos pneus e do tipo de piso, sendo que o tipo de veículo também interfere no cálculo), girando de seguida o volante e aplicando depois pressão no travão de pé. O carro roda sobre si mesmo e fica apontado em sentido oposto. Isto quando tudo corre bem.

No vídeo que publicamos abaixo, não foi bem assim… O agente russo que fazia a exibição preparou-se psicologicamente durante longos segundos para realizar a manobra e deu o seu melhor para apontar o carro em sentido contrário. Mas, para surpresa geral, tanto de quem estava a assistir como até do próprio condutor, o carro da polícia não só girou sobre si próprio, como fez o mesmo em relação ao tejadilho. E não fosse o condutor ter accionado os piscas de emergência e parecer ter ficado atordoado dentro do veículo, até podia passar pela manobra perfeita para despistar os prevaricadores. Que certamente ficariam tão surpreendidos quanto os agentes.

Analisando mais em pormenor o vídeo, torna-se evidente que as suspensões macias e em mau estado permitiram ao Lada Vesta das forças da ordem adornar tanto que, assim que ganhou alguma aderência nos pneus, capotou. Mas quantidade de movimento que levava assegurou que, apesar de capotar, o veículo da polícia acabaria a manobra virado para o sítio certo e com o tejadilho para cima. Como, aliás, convém. Já explicar às chefias o que se passou nesta sessão será, certamente, uma “manobra” muito mais difícil de realizar…