Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

CGD. Comissão avança com queixa na justiça se a Associação Berardo não enviar documentação

176

A dona da coleção de arte de Joe Berardo tem vindo a recusar informação aos deputados da Comissão sobre a Caixa. E a paciência chegou ao fim. Tem uma semana ou segue queixa para a justiça.

LUSA

A Associação Coleção Berardo – a dona da coleção de arte do comendador – tem uma semana para enviar aos deputados da comissão parlamentar de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos toda a documentação pedida. E caso não a faça dentro do prazo, a comissão fará uma participação disso mesmo para o Ministério Público, por crime de desobediência.

A medida foi aprovada esta terça-feira por unanimidade na Comissão parlamentar, ainda antes da audição – a última da CPI – ao ex-ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos.

“Relembramos que caso os documentos não cheguem no tempo pedido iremos agir em conformidade”, disse o presidente da comissão, Luís Leite Ramos, acrescentando que agirá, mandatado pelos deputados, “se se mantiver esta falta de vontade da Associação Coleção Berardo”.

Caso os documentos não sejam recebidos, a comissão irá participar às autoridades judiciais, via “PAR [presidente da Assembleia da República], deste crime de desobediência”.

De acordo com Luís Leite Ramos, a comissão entende que o facto dos “títulos da Associação Coleção Berardo serem penhor da Caixa Geral de Depósitos” entra no âmbito da comissão. Isto porque a associação invocou, inicialmente, o facto de não ser cliente da Caixa para se recusar a enviar a informação solicitada.

No dia 14 de junho foi revelado que a ACB, dona da coleção de arte exposta na Fundação Coleção Berardo, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, recusou enviar à comissão parlamentar de inquérito à CGD documentos requeridos pelo CDS-PP.

Em resposta a um requerimento dos centristas, a ACB refere que “não se alcança qual o objetivo da comissão de inquérito com o seu requerimento, pois que a Associação Coleção Berardo em nada poderá contribuir para o inquérito em causa”.

De acordo com a associação ligada ao empresário e colecionador de arte José Berardo, o pedido “extravasa o objeto legalmente fixado” para a comissão de inquérito, argumentando também que a ACB “não é, nem nunca foi cliente da CGD, nem ainda existiu ou existe qualquer concessão de crédito da CGD à Associação Coleção Berardo”.

O requerimento do CDS-PP, datado de 24 de maio, pede à ACB “o envio de todas as atas de assembleias-gerais e anexos, a lista de presenças nas respetivas assembleias-gerais, os estatutos atuais e todas as versões anteriores, a lista de associados (em todas as qualidades) e detentores de títulos de participação, anual, de 2009 até à última assembleia geral”.

O CDS-PP afirma também que a ACB “é designada como sendo uma das ‘partes'” do acordo-quadro celebrado entre José Berardo, Fundação José Berardo, Metalgest, Moagens Associadas, SA, Associação de Coleções e os bancos credores: CGD, BCP e BES.

No acordo, segundo o requerimento, consta que “as partes acordaram a reestruturação dos financiamentos, com vista a criar condições para o cumprimento, pelas entidades Berardo, dos compromissos desses financiamentos”.

Os centristas argumentam que “o acordo, […] as garantias, e a exequibilidade do exercício de direitos sobre as mesmas são essenciais” para a comissão parlamentar de inquérito, “quanto à decisão de concessão, monitorização e reestruturação de créditos pela CGD a entidades do grupo Berardo, que totalizaram mais 439 milhões de euros e geraram, pelo menos, 124 milhões de imparidades no banco público”.

“É por isto óbvia a relação desta associação com os processos de crédito da CGD, que, aliás, o senhor José Berardo confirmou em audição”, de acordo com o CDS-PP, que requer novamente à Associação Coleção Berardo que envie os documentos pedidos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)