Rádio Observador

Jerónimo De Sousa

Jerónimo reitera que é “indispensável” mudar Lei de Bases da Saúde

O líder comunista defende a clarificação e separação do setor público do privado. A questão da lei de bases advém de “problemas estruturais” da direita, diz. Jerónimo pede ainda o fim das PPP.

Jerónimo de Sousa não comentou no entanto o desacordo político entre o PS e BE sobre a questão

RUI MINDERICO/LUSA

O secretário-geral do PCP reiterou esta quarta-feira que é “indispensável” mudar a Lei de Bases da Saúde e separar o setor público do privado, criticando o PS e BE pela “porta em aberto” à criação de Parcerias Público-Privadas (PPP).

“Mantemos a opinião de que é indispensável e imperioso mudar a Lei de Bases e clarificar, sem ambiguidades, a separação entre o setor público e privado”, defendeu Jerónimo de Sousa, afirmando que a proposta do PS “favorece os grandes grupos monopolistas que operam no setor da saúde, prejudicando os doentes, os dinheiros públicos e o Serviço Nacional de Saúde”.

O líder comunista falava numa sessão pública no Largo da Misericórdia, em Setúbal, onde não comentou o desacordo político entre o PS e BE em relação ao enquadramento das PPP na Lei de Bases da Saúde, mas criticou os diplomas de ambos os partidos.

“Tanto as propostas do PS como do BE deixavam a porta em aberto e empurravam o problema com a barriga, permitindo a criação de novas PPP”, explicou Jerónimo.

O PS e o BE encontram-se em confronto político desde terça-feira, após debate quinzenal, devido às visões opostas sobre as Parcerias Público-Privadas na saúde. No entanto, na visão de Jerónimo de Sousa, não há outra opção que não “pôr fim às PPP”.

Segundo o líder comunista, esta questão na saúde é um exemplo dos vários “problemas estruturais” causados pela política de direita, conduzida pelo PS, PSD e CDS-PP durante mais de quatro décadas.

“Camaradas, a política de direita não é um mero slogan ou um conceito vazio, a política de direita tem um conteúdo e uma expressão muito concreta e uma natureza de classe bem determinada. Essa política conduziu o país ao retrocesso, foi e é a política a restaurar e consolidar em Portugal o domínio do grande capital monopolista”, defendeu.

Neste sentido, o secretário-geral do PCP lembrou aos militantes presentes que se aproximam as eleições legislativas e admitiu que “as dificuldades vão ser grandes” na campanha, mas frisou que é possível “um caminho de avanços através da CDU”.

“Sim, as dificuldades vão ser grandes, o silenciamento vai ser muito e a campanha ideológica vai acentuar-se, mas assim havia de ser camaradas, por causa do partido que temos e que somos, por causa da CDU sempre do lado dos trabalhadores e do povo, sempre na luta contra o capital. O que esperávamos? Queríamos que o capital nos perdoasse? Não, não conseguem fazer isso e é por isso que vamos, com certeza, fazer boa cara ao mau tempo, vamos estar animados pela esperança e pela confiança de que é possível uma vida melhor para os portugueses”, afirmou.

Nesta sessão também discursou o primeiro candidato da CDU às eleições legislativas pelo círculo eleitoral de Setúbal, Francisco Lopes, que lembrou a importância da terceira travessia do Tejo, entre o Barreiro e Lisboa, a construção do hospital do Seixal, o aumento da frota dos transportes públicos e o fim da concessão à Fertagus, que assegura o transporte ferroviário entre a Margem Sul e Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)