Rádio Observador

Mario Draghi

Marcelo condecora Mario Draghi em reconhecimento pelo “excelente” mandato no Banco Central Europeu

O economista italiano termina um mandato de oito anos à frente do BCE. Marcelo atribuiu o mais alto grau da ordem Infante D. Henrique e agradeceu a Draghi "por tudo o que fez pela Europa".

Mario Draghi iniciou o seu mandato à frente do BCE em 2011

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa condecorou esta quarta-feira o economista italiano Mario Draghi com o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique, em reconhecimento pelo seu “excelente” mandato como presidente do Banco Central Europeu (BCE).

O seu papel foi central para ultrapassar a crise e para criar condições para uma economia europeia mais forte. O seu desempenho como presidente do BCE foi excelente. Portanto, é um grande prazer e uma honra dar-lhe esta distinção”, afirmou o Presidente da República, na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a atribuição do Grande-Colar da do Infante D. Henrique – habitualmente atribuído a chefes de Estado – a Mario Draghi traduz o reconhecimento de Portugal pelo seu mandato à frente do BCE, iniciado em 2011 e que agora termina, “e por tudo o que fez pela Europa e pela zona euro e, acima de tudo, pelos europeus”. “E pelo mundo, porque qualquer pessoa que saiba história compreende por que é que a Europa é tão importante para o equilíbrio de poderes no mundo”, acrescentou o chefe de Estado.

Assistiram a esta cerimónia o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, os ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e das Finanças, Mário Centeno, e os governadores do Banco de Portugal, Carlos Costa, e dos bancos centrais de outros países europeus, como a Bélgica, o Chipre e a Grécia.

Numa intervenção em inglês, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que Mario Draghi assumiu a presidência do BCE durante “um período de profunda adversidade económica e financeira para a Europa, que atravessava o pico da crise das dívidas soberanas”. “A resposta do BCE em defesa da estabilidade financeira da Europa, assim como da moeda única, deu um contributo significativo para ultrapassar estas dificuldades com sucesso”, elogiou.

De acordo com o Presidente da República, foram, acima de tudo a “crença no projeto europeu” e a “coragem política” de Mario Draghi que tornaram possível “implementar medidas tão importantes cujo sucesso é visível e amplamente reconhecido”.

“O desempenho das políticas monetárias que foi implementado pelo BCE dinamizou as economias europeias, não apenas aquelas da moeda única, mas também toda a União Europeia”, acrescentou, defendendo que, “apesar das dificuldades enfrentadas por alguns países durante a crise económica e financeira”, foi possível salvaguardar “a confiança na moeda única”.

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que convidou o presidente do BCE em 2016 para uma reunião do Conselho de Estado, o seu órgão político de consulta.

Em relação ao futuro, defendeu que “a UE deve continuar a trabalhar para reforçar a coesão económica e social, para reforçar a integração e, ao mesmo tempo, as instituições europeias”.

O Grande-Colar do Infante D. Henrique é o mais alto grau desta ordem honorífica e é concedido pelo Presidente da República a chefes de Estado estrangeiros, podendo ainda ser atribuído a antigos chefes de Estado e “a pessoas cujos feitos, de natureza extraordinária e especial relevância para Portugal, os tornem merecedores dessa distinção”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
BCE

Arrivederci, Mario!

Jorge Silveira Botelho

Os que creem que as taxas de juro na Europa não sobem não se iludam. Quem de perfeito juízo acredita que Draghi deixará em mãos alheias o anúncio do fim do ciclo monetário que tão arrojadamente abriu?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)