Mil mulheres foram assassinadas pelos seus companheiros em Espanha desde 2003, ano em que o país começou a contabilizar as vítimas de violência doméstica em Espanha, segundo dados divulgados esta quarta-feira pela agência de notícias espanhola EFE.

O Presidente do governo espanhol em funções, Pedro Sánchez, comentou a situação afirmando que “cada crime dói” e “saber que existem mil vítimas da violência de género encolhe a alma e deve levar as autoridades a reagir”.

Sánchez expressou a sua preocupação na sua conta do Twitter após a Delegação do governo para a Violência de Género ter confirmado o assassínio de Ana Lucía Silva, na sexta-feira.

Esta vítima, que morreu na sexta-feira em Córdoba, é a milésima mulher a morrer na consequência de um crime de violência de género.

“Confirma-se que o assassinio de Ana Lucía foi #ViolênciaDeGénero. Já são mil as mulheres assassinadas pela #ViolênciaMachista desde que existe registo”, escreveu Sánchez na rede social.

A EFE lançou uma série especial de trabalhos sobre a dimensão do tema no país, levando os leitores a refletirem sobre as diferentes perspetivas da realidade dste problema social.