Rádio Observador

Entretenimento

Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves voltam a juntar-se em palco em novembro

Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves voltam com "uma continuação" do espetáculo que fizeram com outro nome e material novo e com "uma banda sonora gravada de propósito".

"Onde é que eu ia?..." é apresentado a 08 e 09 de novembro, no Capitólio, em Lisboa

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O escritor e argumentista Nuno Artur Silva e o desenhador António Jorge Gonçalves estreiam em novembro, em Lisboa, “Onde é que eu ia?…”, “uma continuação” do espetáculo que fizeram em 2014, mas que é ao mesmo tempo “completamente diferente”.

“É uma continuação do outro, no sentido em que o outro estava a começar uma digressão que foi interrompida. E é completamente diferente no sentido em que tem mais de metade do material completamente novo, sobretudo fruto do que foram os últimos anos e do que eu tenho andado a pensar e o que me tem acontecido”, explicou Nuno Artur Silva, em declarações à agência Lusa.

Em 2014, o escritor e argumentista estreou, no Famous Humor Fest, em Lisboa, “Nuno Artur Silva. A sério?”, espetáculo no qual fazia “uma espécie de solo, mas acompanhado pelo António Jorge Gonçalves e pelos Dead Combo ao vivo”.

O espetáculo teve depois, em 2015, apresentações no Teatro Municipal São Luiz, também em Lisboa.

Pouco depois, Nuno Artur Silva foi nomeado para o conselho de administração da RTP, onde se manteve durante três anos, e “Nuno Artur Silva. A sério?” acabou por ficar pelo caminho.

O espetáculo regressa agora, com outro nome, material novo, “uma banda sonora gravada de propósito” e António Jorge Gonçalves, que fará desenho em tempo real.

Tal como no espetáculo anterior, o desenhador terá “umas bases”. “É como se ele fosse desenhando em contraponto com o que eu vou dizendo. Tudo isto também qualquer coisa de uma espécie de conferência, em que há um diálogo entre o que eu vou dizendo e o que ele vai desenhando”, referiu.

“Onde é que eu ia?…”, de acordo com Nuno Artur Silva, “mantém a premissa de ser um solo acompanhado, um bocadinho como é a vida, que é sempre um solo acompanhado”.

“E é uma série de observações e o registo será um quase ‘stand up comedy’, em que eu, a partir das notas que fui tomando nos últimos anos, vou dissertando sobre várias coisas, que tem que ver com a minha vida e as experiências que eu tive, sobretudo neste último período, de ter passado de criador, ‘freelancer’, para gestor de uma empresa pública e tudo o que isso trouxe, todas as histórias e os pensamentos que isso traz também”, partilhou.

“Onde é que eu ia?…” é também “uma espécie de discurso do 10 de junho”. “Mas é mais sobre mim, ou seja, a pessoa a quem eu pergunto ‘deem-me qualquer coisa em que acreditar’ é a mim próprio, e depois dou várias hipóteses, todas inacreditáveis”, disse.

Nuno Artur Silva sempre teve por hábito “ir anotando coisas” e este espetáculo “parte muito deste bloco de notas”.

“Notas variadas sobre pensamentos, a vida, o que nos acontece. Agora que voltei a ter uma vida mais calma, voltei a ter tempo para estar com os meus filhos e também observei muito o comportamento dos miúdos. E posso dizer também como a Madonna: ‘da experiência de Lisboa também recolhi muita coisa’, ouvi muita música portuguesa, muito fado, muita morna, muitas batukeiras e isso também se vai refletir no novo trabalho”, contou.

“Onde é que eu ia?…” é apresentado a 08 e 09 de novembro, no Capitólio, em Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)