Rádio Observador

Futebol

O primeiro dia de Jesus no Ninho do Urubu: “Ganhar, ganhar, ganhar”, um drone e o “Continua, c******”

192

Jorge Jesus teve o primeiro dia de trabalho com os jogadores do Flamengo no Ninho do Urubu. Da primeira palestra aos exercícios de campo, português já começou a deixar marca – e os adeptos gostam.

Jorge Jesus elevou a fasquia logo na primeira palestra como treinador do Flamengo, no Ninho do Urubu

D.R. Twitter Flamengo

Antigamente eram sempre abertos e sem filtros no final para falar com quem se quisesse. Depois começaram a ter regras. A seguir passou para menos dias e apenas um aberto a seguir aos jogos. Mais tarde, surgiram os “15 minutos” (onde em resumo de via a entrada dos atletas, as corridas iniciais de aquecimento, uns toques na bola e pouco mais). Agora, salvo raras exceções em alturas especiais no início da época, na altura do Natal ou em dias de aniversário, todos os treinos dos principais clubes portugueses são fechados à imprensa, incluindo recolhas de imagens. A evolução dos tempos no futebol português também se fez sentir nas sessões de trabalho diárias e agora, quando se consegue ter uma ideia do que se está a passar, a única hipótese são os canais dos próprios clubes, que de quando em vez fazem uns diretos. Diferente da realidade no Brasil.

Depois das folgas prolongadas por causa da Copa América, que parou todas as competições no país, os jogadores do Flamengo regressaram esta quinta-feira aos treinos e a estreia de Jorge Jesus no Ninho do Urubu, onde está concentrado o quartel general do clube do Rio de Janeiro, foi acompanhada ao pormenor por toda a imprensa até determinada altura – e com alguns bónus que saíam nas redes sociais oficiais do clube, nomeadamente a primeira palestra e alguns excertos do treino.

“O mais importante aqui dentro é o Flamengo, não é o treinador nem é o jogador. É o Flamengo e por isso temos de olhar todos num objetivo e num compromisso de equipa (…) Não se pode falar de outra maneira neste clube, é ganhar, ganhar, ganhar”, atirou o antigo técnico de Benfica e Sporting, que esteve nos sauditas do Al-Hilal, na palestra com os jogadores, onde estavam também presentes adjuntos, restante staff e os dirigentes mais próximos do futebol no clube.

Mais tarde, os jogadores começaram por fazer trabalho de ginásio, sendo percetível também aí os reparos que iam sendo feitos e determinados exercícios por Jesus, o adjunto principal João de Deus e o preparador físico Mário Monteiro. Seguiu-se a subida ao relvado, com um drone (controlado pelos analistas Rodrigo Araújo e Gil Henriques) a dar nas vistas a par de outra “inovação” que o português decidiu implementar desde já: a utilização de coletes com números nas costas.

“A primeira qualidade do jogador é saber pensar o jogo. A segunda é saber decidir. Primeiro é pensar, depois é decidir a quem é que se passa. Só depois é que vem a terceira, que é a execução. A execução não vem primeiro que isto, isso não existe no futebol”, gritou Jesus numa parte do treino transmitida pelo Twitter do Flamengo, já depois de ter “apertado” com o ritmo de corrida dos jogadores com um percetível “Continua, c******” que gerou sorrisos entre os próprios jogadores e muitas reações de apoio por parte dos adeptos, que antes tinham comentado de forma positiva o excerto da palestra divulgado.

O treino passou depois a ser à porta fechada, com os jogadores a ficarem cerca de duas horas no relvado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)