Rádio Observador

Acidentes e Desastres

Putin afirma que “não há provas” sobre implicação da Rússia na queda do voo MH17 na Ucrânia

Vladimir Putin, afirmou que "não há provas" sobre a implicação da Rússia na queda do voo MH17 em 2014 no leste ucraniano, em reação à identificação de três suspeitos russos por comité internacional.

ALEXEY NIKOLSKY / SPUTNIK / KREMLIN POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou esta quinta-feira que “não há provas” sobre a implicação da Rússia na queda do voo MH17 em 2014 no leste ucraniano, em reação à identificação de três suspeitos russos por um comité internacional.

“O que foi apresentado como provas de responsabilidade da Rússia, não nos convence absolutamente. Acreditamos que não há provas”, disse Putin à comunicação social, no final de uma sessão anual transmitida pela televisão durante a qual o chefe de Estado responde a perguntas do público russo.

Uma equipa internacional liderada pela Holanda, que investigou a queda do voo MH17 em julho de 2014 no leste da Ucrânia com 298 pessoas a bordo, anunciou na quarta-feira a identificação de quatro suspeitos: três russos (Sergei Doubinski, Igor Guirkine e Oleg Poulatov) e um ucraniano (Leonid Khartchenko).

O Boeing 777 da Malaysia Airlines despenhou-se a 17 de julho de 2014 quando sobrevoava um território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano, cenário de um conflito armado. As 298 pessoas a bordo do avião que fazia a ligação Amesterdão–Kuala Lumpur — maioritariamente holandeses — morreram.

Os quatro suspeitos vão ser julgados em março de 2020 na Holanda, país que responsabiliza a Rússia pela participação na destruição do avião. Neste inquérito, “existem muitas perguntas, mas não há respostas. Tal abordagem da investigação não nos convence”, prosseguiu Putin, lançando duas questões: “Quem autorizou um voo por cima de uma zona de combate? Foi a Rússia?”.

Na quarta-feira, a diplomacia russa já tinha lamentado as conclusões apresentadas pela investigação internacional, denunciando tratar-se de acusações “gratuitas” que visam “desacreditar” a Rússia perante a comunidade internacional. Segundo a Comissão Internacional de Investigação, que também integrou investigadores da Austrália, Bélgica, Malásia e Ucrânia, o aparelho da Malaysia Airlines foi abatido por um míssil proveniente da 53.ª brigada antiaérea russa, baseada em Kursk (oeste da Rússia).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)