Rádio Observador

Universidades

Reitores querem bolsas de estudantes com valores mínimos de 1200 a 1500 euros

145

Atualmente, o valor destas bolsas é de 1.064 euros. Conselho de Reitores defende que ação social tem de chegar a mais 30% dos alunos e que deve ter escalões de acordo com os rendimentos familiares.

Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, presidido por Fontainhas Fernandes, vai reunir-se com partidos políticos para apresentar “agenda política” para o ensino superior

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Mais bolsas de estudo, para mais alunos universitários e com mais escalões. O reforço da ação social é uma das três prioridades da agenda política que o Conselho Nacional de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) vai apresentar aos partidos políticos na próxima semana. E os reitores já têm propostas muito concretas. Para começar, querem aumentar exponencialmente as bolsas mínimas que passariam dos 1.064 euros atuais para valores entre os 1.200 e os 1.500 euros. O CRUP propõe, também a meta de abranger, no prazo da legislatura, pelo menos 30% dos estudantes (hoje chega a 21%) e escalonar os valores das bolsas consoante os rendimentos das famílias dos estudantes. Estas e outras propostas foram apresentadas esta sexta-feira em conferência de imprensa, em Lisboa.

Na agenda política pensada para a década 2020/30, e que os reitores esperam que os partidos incluam nos seus programas eleitorais das legislativas de outubro, o CRUP inclui também a atualização do modelo de financiamento das universidades e a melhoria das condições do corpo docente. O objetivo principal, como explicou o presidente do CRUP aos jornalistas, Fontainhas Fernandes, é afirmar o ensino superior como “uma prioridade nacional”, já que sem ele o desenvolvimento do país e dos seus cidadãos não é possível.

Aumentos nas bolsas superiores a 100 euros

Lembrando que, em Portugal, o estudantes dependem muito das famílias para poder fazer o seu percurso no ensino superior, Fontainhas Fernandes defende que no curto prazo,”a ação social ganhe eficácia e contribua efetivamente para aumentar o número de estudantes a frequentar o ensino superior”, número esse que na opinião dos reitores deveria passar de 4 para 6 em 10 alunos. Nesse sentido, os reitores apresentam cinco propostas muito concretas.

Em primeiro lugar, “estender a ação social aos estudantes cujas famílias aufiram um rendimento anual, per capita, inferior a 8.890 euros”, valor que hoje está nos 7.925,87 euros. Caso não fosse possível, a alternativa seria estabelecer a meta, de no final da próxima legislatura, chegar a pelo menos 30% dos estudantes, ou seja, um aumento de 9%.

Para além de chegar a mais estudantes, os reitores também querem ver os alunos receber valores mais altos, e propõe subidas acima dos 100 euros nas bolsas mínimas. Estas seriam aumentadas para valores entre os 1.200 euros e os 1.500, representando um aumento de 136 euros e de 436. Estes valores são diferenciados porque o CRUP sugere também introduzir escalões nas bolsas.

A ideia seria criar “um mecanismo de diferenciação, por escalões, do valor das bolsas, para os estudantes cujas famílias aufiram um rendimento anual, per capita, entre os 4.717,90 e os 7.925,87 euros”. Atualmente, situam-se neste intervalo de rendimento cerca de metade dos estudantes, “recebendo todos igualmente a bolsa mínima, apesar da grande diferença de rendimentos”.

Os reitores pedem ainda para se reforçar os planos de apoio indireto, onde se inclui o alojamento estudantil, e para se transferir progressivamente o financiamento da ação social para o Orçamento do Estado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)