Mesmo os modelos globais, já não são o que eram. E a prova é o novo Seltos, o Kia que a marca sul-coreana concebeu como um veículo global e que vai ser vendido como tal. Excepto no continente europeu, por agora. É um facto que a rentabilidade leva os construtores a quererem produzir o máximo de unidades sobre a mesma base, reduzindo os custos e maximizando os ganhos, mas cada mercado tem as suas necessidades.

A Kia tem dois objectivos para os próximos anos: o incremento das vendas e o aumento da oferta de SUV, o tipo de veículos que os condutores mais gostam. Sucede que SUV há muitos e cada continente prefere os seus, uns com ênfase no espaço interior, outros a privilegiar o aspecto desportivo da carroçaria. Sendo que a Europa prefere estes últimos. Daí que o Seltos, demasiado próximo do Sportage para ser comercializado no Velho Continente sem provocar uma canibalização, não esteja em princípio reservado para o nosso mercado. Pelo menos por enquanto, pois na indústria automóvel não há estratégias de “pedra e cal”.

Se para os condutores europeus a Kia desenvolveu propositadamente o XCeed, um SUV mais civilizado com base no Ceed, mais baixo, mais ágil e mais dinâmico, além de mais barato, o resto do mundo vai poder em breve adquirir o Seltos. Dependendo do mercado, o Seltos pode estar equipado com o motor 1.6 Turbo a gasolina com 175 cv,ou, em alternativa, o 2.0 atmosférico, sempre a gasolina, com 147 cv. Paralelamente, os amantes dos motores a gasóleo podem sempre optar pelo 1.6 turbodiesel com 134 cv.

O novo Seltos será fabricado em Gwangiu, na Coreia do Sul, e em Andhra Pradesh, na Índia.