Era complicado dizer que Casa Pia e Vilafranquense jogavam este domingo o jogo da temporada. Na verdade, essa partida, ou partidas, tiveram lugar no fim de semana passado, quando ambas as equipas venceram as respetivas eliminatórias do playoff do Campeonato de Portugal e garantiram as duas vagas no acesso à Segunda Liga e ao futebol profissional. Este domingo, Casa Pia e Vilafranquense discutiam o estatuto de campeão do escalão que vão deixar já na próxima temporada e tinham quase um jogo de consagração com direito a presença no Estádio Nacional.

O campeão mundial, o irmão de Rúben Dias e o ex-colega de Gabriel Jesus: Casa Pia e Vilafranquense sobem às ligas profissionais

No Jamor, os adeptos de uma e outra equipa juntaram-se horas antes do apito inicial, muito a la final da Taça de Portugal, e fizeram a festa antes do jogo que acabaria por coroar o vencedor do Campeonato de Portugal. Na entrada dos dois conjuntos no relvado do Estádio Nacional, ficava notória a atmosfera de relação intrínseca com a prova rainha do futebol português: Filipe Moreira, treinador do Vilafranquense, apresentava-se de fato e de laço, numa clara homenagem a Quinito. O histórico técnico português, que se afastou do futebol em 2011 depois da morte do filho, ficou na história ao aparecer na final da Taça de 1982 de fato branco e laço preto. O Sp. Braga que Quinito orientava perdeu com o Sporting por 4-0 mas a indumentária, essa, será sempre recordada e foi lembrada este domingo por Filipe Moreira.

A primeira parte da partida entre as duas equipas que na próxima temporada se juntam ao segundo escalão do futebol português teve mais animação nas bancadas do que propriamente dentro de campo. O apoio dos mais de quatro mil adeptos do Casa Pia e do Vilafranquense, que depois de encherem consecutivamente o Estádio do Pina Manique e o Campo do Cevadeiro ao longo da temporada não falharam a chamada ao Jamor, ia mesmo sendo o destaque da final do Campeonato de Portugal. No relvado, o jogo só ganhou alguma emoção já nos instantes finais, quando João Vieira, o homem golo da equipa de Vila Franca de Xira, teve duas oportunidades para inaugurar o marcador.

A segunda parte trouxe a mesma superioridade do Vilafranquense, que acabou por chegar à vantagem aos 57 minutos, através de um cruzamento de Luís Pinto que foi desviado por Tocatins ao segundo poste e concretizado por Kelvin já na pequena área. O avançado cabo-verdiano, que já havia marcado no playoff contra a U. Leiria, colocava os vilafranquenses a vencer na final do Campeonato de Portugal. O jogo partiu pouco depois do golo, com o Casa Pia a resistir a uma enorme jogada de João Vieira que só não deu golo graças a uma enorme defesa de Rafael Marques. Ainda assim, o conjunto lisboeta foi capaz de chegar ao empate, já aos 79 minutos, através de um cabeceamento de João Coito depois de um canto batido por Miguel Bandarra.

O empate não foi desfeito até ao minuto 90 e a partida foi mesmo para prolongamento. Logo nos instantes iniciais do tempo suplementar, o Vilafranquense voltou a saltar para a frente da partida, através de um grande remate de Tocantins, e o segundo golo levou o treinador Filipe Moreira a largar o laço e o casaco e a pedir apoio às bancadas já em mangas de camisa. O Casa Pia voltou a repor a igualdade na única oportunidade de que beneficiou em todo o prolongamento (111′), graças ao bis de João Coito, e levou a final do Campeonato de Portugal para grandes penalidades.

Nos penáltis, o Vilafranquense falhou duas tentativas e o Casa Pia acabou mesmo por conseguir conquistar o Campeonato de Portugal e somar essa alegria à subida à Segunda Liga. Ainda assim, dificilmente o Vilafranquense sai do Jamor e desta temporada enquanto derrotado, já que o conjunto de Vila Franca de Xira vai disputar as ligas profissionais pela primeira vez na sua história e andar na alta roda do futebol português depois de um ano difícil fora dos relvados.