Mais de 60 mil testemunhas de Jeová oriundas de 46 países vão reunir-se no estádio da Luz no próximo fim de semana para um congresso internacional daquela confissão religiosa.

As bancadas do estádio do Benfica têm capacidade para mais de 65 mil pessoas, tendo sido esse o motivo para a escolha do lugar para a reunião magna, segundo disse à SIC o porta-voz das Testemunhas de Jeová em Portugal, José Catarino.

“A escolha do estádio da Luz deve-se ao quê? Ao facto de ser o espaço com maior disponibilidade de lugares”, disse José Catarino, ouvido numa reportagem daquela estação televisiva. “As negociações foram feitas na base de um evento, foi chegado a um acordo, contratualizados os detalhes, chegou-se a bom termo”, acrescentou.

Os congressos internacionais das Testemunhas de Jeová realizam-se habitualmente em estádios de futebol — e já houve alguns encontros no estádio do Restelo. Porém, esta é a primeira vez que o estádio da Luz é alugado para fins religiosos, o que tem motivado algum desacordo entre os adeptos do Benfica.

Quando, em abril, se soube oficialmente que o congresso iria ter lugar no estádio da Luz, fonte oficial do Benfica confirmou ao jornal Sol que o recinto seria alugado “a preços de mercado”. Mais recentemente, o jornal desportivo Record noticiou que o aluguer do espaço — que inclui o estádio e os pavilhões — vai render à SAD do Benfica um milhão de euros.

Aquela confissão religiosa tem o estádio reservado entre os dias 28 e 30 de junho. Mas os efeitos deverão sentir-se em toda a cidade de Lisboa, onde 60 mil religiosos ficarão alojados em dezenas de hotéis e serão transportados em 400 autocarros de e para as sessões no estádio.

“Temos todo um processo de mobilidade devidamente planeado, para que os cerca de 400 autocarros que vão deixar os congressistas possam fazê-lo de forma fluida, sem quaisquer atropelos”, explicou à SIC o porta-voz das Testemunhas de Jeová.

“Os nossos convidados internacionais, cerca de 5.300, vão passar sensivelmente uma semana na cidade de Lisboa e arredores”, acrescentou José Catarino.

Questionado pela estação televisiva sobre se os fiéis que estarão em Lisboa irão fazer proselitismo pela capital portuguesa, José Catarino confirmou e sublinhou que “as testemunhas de Jeová vão aproveitar esta oportunidade, mesmo os delegados internacionais, para gastar algum tempo, a abordar as pessoas, de casa em casa, na rua”.

Em Portugal existem cerca de 50 mil testemunhas de Jeová, que se reúnem em cerca de 450 Salões do Reino (o nome dado aos espaços de culto). O evento, que está a ser preparado há mais de um ano, conta com 10 mil voluntários.

Conhecidos por recusar transfusões de sangue (até em casos de morte), incentivados a não estudar e a não celebrar festas, nem mesmo os aniversários, as testemunhas de Jeová dedicam-se pelo menos três vezes por semana ao proselitismo porta a porta.

Se quiserem sair da sua comunidade, são habitualmente ostracizados pelos outros fiéis e proibidos de voltar a contactar com eles, até com os pais, como mostra uma reportagem do Observador publicada no ano passado.

“Sempre que surgem essas questões, no devido lugar, no devido tempo, nós procuramos esclarecer pessoalmente quem nos questiona”, diz apenas José Catarino, quando questionado na SIC sobre essas questões.