Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo diz que em dia de S. João questões políticas não interessam

303

Voltou a Braga, chegou à avenida da festa sozinho, antes da hora marcada, assou umas sardinhas e levou hora e meia para subir os três degraus de acesso à sala onde ia jantar, após ser reconhecido.

HUGO DELGADO/LUSA

O presidente da República afirmou este domingo que nos Santos Populares as questões políticas “não são importantes” e, depois de hora e meia para entrar num restaurante, explicou que há muito não vinha a Braga nesta festividade.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou à avenida da festa sozinho, antes da hora marcada, assou umas sardinhas e depois de ser reconhecido foi “só” hora e meia para subir os três degraus de acesso à sala onde este ano a sardinha não lhe iria escapar.

“Este ano tinha falta injustificada. O ano passado faltei justificadamente por razões de saúde, mas este ano cumpri a promessa e venho recordar os meus tempos de juventude”, disse.

Em 2018 o chefe de Estado sentiu-se mal no final de uma visita ao Bom Jesus de Braga e acabou por não jantar na festa.

Os jornalistas ainda tentaram desviar a atenção do Presidente das sardinhas para a falta de espírito festivo da “geringonça”.

“Sabe que na noite de S. João essas questões são questões que acabam por não serem importantes, são para serem tratadas noutra situação, noutro local”, respondeu Marcelo Rebelo de Sousa, desviando novamente a conversa para as sardinhas, enquanto verificava se uma panela de batatas estava já pronta a servir.

“Eu não vinha a Braga no S. João há uns 15 ou 20 anos. Vejo mais gente, mais gente de fora, mas já não vinha há uns 15 ou 20 anos”, disse.

Depois de muito esforço, muitas ‘selfies’, beijinhos e ver sardinhas a passar o Presidente conseguiu chegar à sua mesa.

“Não fora a missa [celebrada amanhã pelas 09.00] seria uma noite interminável”, avisou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)