Apesar de o Taycan ser o primeiro veículo eléctrico produzido pela Porsche, é mais que provável que este seja o modelo que maior investimento exigiu ao fabricante alemão. É certo que há uma série de custos relacionados com a gama de novos eléctricos que são suportados pelo total das marcas do grupo, com destaque para a Volkswagen, a quem cabe pagar a maior fatia das contas. Mas, ainda assim, num modelo em que tudo é novo, da plataforma às baterias, passando pelos motores e unidades de gestão, a primeira berlina eléctrica da marca vai definitivamente ser um veículo importante para a Porsche, tanto mais que o CEO da Audi tem colocado alguma pressão – e de forma algo dura – sobre a sua “irmã” de Estugarda.

Com apresentação prevista para Setembro, são progressivamente conhecidos novos detalhes acerca do Taycan. Agora surgiu um vídeo do interior, através do site Electrek, onde é visível “Autopilot”, tal como a Tesla denomina o seu sistema de condução semiautónoma. O filme parece ter sido registado por alguém que entrou dentro de uma unidade e se preparou para a conduzir. As imagens podem ter sido recolhidas durante uma apresentação a concessionários, o que seria grave, ou a um grupo restritos de clientes, o que será mais provável. Mas o que importa é que, pela primeira vez, é possível ver em funcionamento o ecrã montado na consola através do qual será possível controlar a maior parte das funções do Taycan.

O autor do filme entra a bordo com uma câmara que parece estar solidária com a cabeça (óculos com registo de vídeo?), liga o carro e, com ele, o ecrã. O selector da “caixa” torna-se visível, com o P de “park”, D de “drive”, R de “reverse” e N de “neutral”, com o condutor a engrenar a marcha-atrás. Primeiro, quem está ao volante anda uns metros para trás, para de seguida se deslocar ligeiramente para a frente, altura em que o vídeo é interrompido.

O pouco que se pode ver do interior parece bem acabado e de aspecto agradável, o que não espanta uma vez que a qualidade de construção é um dos trunfos do Grupo Volkswagen, e já o eléctrico Audi e-tron é exemplar nesse domínio. A surpresa vem do facto de, assim que o modelo foi ligado, ser visível a meio do ecrã a informação “AUTOPILOT READY”. Sucede que Autopilot é algo que todos associam à Tesla, equipamento que a marca monta nos seus veículos desde 2012, quando produziu o primeiro Model S. De todos os sistemas de ajuda à condução disponíveis no mercado, o Autopilot do construtor americano é o mais eficiente e complexo, como aliás prova o facto de ser possível – de forma ilegal e irresponsável – dormir enquanto o Tesla se conduz a si próprio. E nunca ninguém foi apanhado a dormir num automóvel da concorrência, essencialmente porque a “aventura” teria ainda menos probabilidade de acabar bem.

No vídeo, como o veículo parece estar numa garagem, estacionado entre dois outros automóveis, o mais provável é que o Autopilot da Porsche seja um dispositivo apenas de ajuda ao estacionamento, seja para entrar ou para sair do local onde parou.

De momento, o sistema de ajuda à condução mais sofisticado do Grupo Volkswagen é o que foi estreado pelo Audi A8, sendo que o Taycan poderá recorrer a um sistema similar ou a uma versão ligeiramente mais desenvolvida. Importará ver se, também ao nível das ajudas ao condutor, a Porsche vai ou não rivalizar com a Tesla, por exemplo reconhecendo e adaptando a velocidade, ou parando, perante sinais de stop ou semáforos vermelhos.