Rádio Observador

Alemanha

Conservadores alemães da CDU recusam qualquer cooperação com a extrema-direita

Tomada de posição surge depois de dois membros do partido terem defendido, num documento interno, que os eleitores da CDU e da AfD têm aspirações semelhantes.

HAYOUNG JEON/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A líder da União Democrata-Cristã (CDU), Annegret Kramp-Karrenbauer, recusou hoje qualquer cooperação com a extrema-direita da Alternativa para a Alemanha (AfD), depois de dois membros do partido terem admitido essa possibilidade. A imprensa alemã já tinha noticiado que a direção do partido conservador aprovou uma resolução rejeitando qualquer cooperação com a AfD e afirmando que “recorrerá a todos os meios disponíveis para executar a decisão”.

Ambas as tomadas de posição surgem depois de dois membros do partido, Ulrich Thomas e Lars-Jörn Zimmer, vice-presidentes da bancada da CDU no parlamento regional da Saxónia-Anhalt (centro-leste), terem defendido, num documento interno, que os eleitores da CDU e da AfD têm aspirações semelhantes, que a AfD tem membros radicais mas também outros mais liberais e que futuros acordos entre as duas formações não devem ser excluídos.

AKK, como é conhecida nos meios políticos alemães, considerou impensável a CDU, o partido da chanceler Angela Merkel, ter algum tipo de cooperação com um partido que não se demarca claramente de extremistas e evocou o recente homicídio de Walter Lübcke, um eleito local morto por um presumível simpatizante da extrema-direita.

“Peço a todos os que falam de cooperação que fechem os olhos por um momento, pensem em Walter Lübcke e se questionem se a CDU pode trabalhar conjuntamente com um partido como a AfD”, disse AKK num debate na televisão pública alemã ARD. Para a líder da CDU, a ala mais extremista da AfD é indiretamente responsável pelo crime dada a sua agressiva retórica anti-imigração.

“Qualquer membro da CDU que fale de cooperação tem de se questionar sobre como consegue conciliar essa ideia com a sua consciência. Eu não consigo”, afirmou. O tom de AKK é semelhante ao da resolução aprovada pelo partido, que sublinha que “a difamação pessoal pode conduzir a ameaças de morte, atos de violência e mesmo assassínios”. “Quem quer que, no seio da CDU, defende a aproximação ou mesmo a cooperação com a AfD, deve ter presente que fala de um partido que tolera as ideias da extrema-direita, o antissemitismo e o racismo nas suas fileiras”, lê-se na resolução, citada na imprensa.

A AfD é a principal força da oposição na câmara baixa do parlamento (Bundestag). Nas legislativas de setembro de 2017 obteve 12% dos votos e elegeu 91 deputados (em 709), marcando a entrada, pela primeira vez desde o pós-guerra, da extrema-direita no Bundestag.

Três estados do leste alemão vizinhos da Saxónia-Anhalt — Brandenburgo, Saxónia e Turíngia — realizam eleições regionais em setembro e outubro e, segundo uma sondagem divulgada a 11 de junho pela emissora Deutsche Welle, a AfD está bem colocada e pode vir a governar um dos dois primeiros.

A sondagem, do instituto Forsa, coloca a AfD à frente da CDU em Brandenburgo e em empate com a CDU na Saxónia. Apenas na Turíngia a extrema-direita surge em terceiro, depois da CDU e d’A Esquerda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)