Rádio Observador

Festivais

Festival Liberdade espera atrair milhares de jovens ao litoral alentejano

Atividades desportivas, debates e concertos com nomes conhecidos do panorama da música nacional, como Karetus ou Papillon, vão decorrer de sexta a domingo em Vila Nova de Santo André.

Promotores dizem que festival é composto por “centenas de iniciativas dinamizadas pela juventude da região”

Vila Nova de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém (Setúbal), acolhe, entre sexta-feira e domingo, a 7.ª edição do Festival Liberdade, que espera atrair milhares de jovens ao litoral alentejano.

O evento, organizado pela Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS), em conjunto com a Câmara de Santiago do Cacém, leva pela primeira vez ao litoral alentejano “centenas de iniciativas dinamizadas pela juventude da região” e concertos no palco principal.

“Trata-se de um projeto regional, em parceria com o movimento associativo juvenil, que pretende criar espaços de discussão e participação das estruturas juvenis” para “potenciar o envolvimento” dos jovens “na construção do festival”, destacaram os promotores.

Este ano, o festival, que teve a sua primeira edição em 1994, tendo sido retomado em 2014, conta com mais um dia de atividades, no recinto do Centro Equestre de Santo André, na cidade de Vila Nova de Santo André, onde estão previstas iniciativas “ligadas às mais diversas expressões”, desde a música, dança e o teatro até ao cinema, desporto e artes visuais.

Vila Nova de Santo André é a cidade mais jovem do país e talvez das mais jovens da Europa, tem a maior percentagem de jovens do Alentejo, é sinónimo de juventude e, por isso, este é o sítio mais apropriado para se realizar o festival”, realçou o presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha.

Ao longo dos três dias, os jovens e as estruturas ligadas à juventude do distrito de Setúbal são convidados a participar no evento, dando a conhecer ao público do festival as suas iniciativas nos espaços temáticos montados para o efeito, como a Mostra Associativa, o palco Paz, o palco Igualdade e a Tenda Juventude.

“Queremos promover o desenvolvimento social dos nossos territórios, fortalecendo o movimento associativo e o dinamismo da cidadania, aproximando a juventude e as autarquias, com uma oferta que é única, genuína e diferenciadora de outros festivais que são mais comerciais”, explicou Rui Garcia, presidente da Associação de Municípios da Região de Setúbal.

De acordo com a organização, no palco Paz, serão apresentados projetos musicais que se afirmam como novos valores da música nos vários concelhos do distrito de Setúbal, enquanto que, no palco Igualdade, é dada primazia aos músicos a solo, DJ’s e MC’s.

O recinto recebe ainda a Tenda da Juventude, que acolhe, durante o evento, projetos mais intimistas nas áreas da música e da dança, e o espaço expositivo Arte em Liberdade, com trabalhos realizados por jovens artistas nas áreas da fotografia, desenho, pintura, gravura, ilustração, banda desenhada, instalação e escultura.

Além da demonstração de diversas atividades desportivas, o programa do festival, que tem entrada livre e campismo gratuito, prevê a realização de encontros, debates e animação de rua.

Pelo palco principal da festa, o palco Liberdade, vão passar artistas como Mundo Segundo & Sam the Kid, HMB, Karetus, Papillon, Mishlawi e Bispo que atuam nos dois primeiros dias do festival.

O Festival Liberdade termina, no domingo, com o Encontro do Movimento Associativo, no qual serão apresentados projetos e experiências do movimento associativo juvenil e dos municípios da região e aprovada uma proposta de resolução.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)