Rádio Observador

Música

Músico André Barros vence prémio internacional nos Independent Music Awards

1.289

André Barros foi distinguido com o prémio de melhor canção usada em filmes/tv/jogo, com a música “Leda”. Venceu uma das duas categorias para as quais estava nomeado.

André Barros é natural da Marinha Grande e produz peças frequentemente usadas nas indústrias publicitária e cinematográfica

©Observador

O músico português André Barros foi distinguido pelos prémios internacionais Independent Music Awards como autor da melhor canção usada em filme/TV/jogo, pela composição “Leda”.

A 17.ª edição dos Independent Music Awards, realizados no sábado em Nova Iorque, nos Estados Unidos, teve, no total, quatro portugueses nomeados em diferentes categorias.

André Barros, compositor e pianista, foi nomeado este ano para dois prémios que distinguem melhor canção independente usada em campanhas publicitárias e melhor canção em filmes/tv/jogo.

Ao Observador, em trânsito entre Nova Iorque e Lisboa, André Barros reagiu ao prémio com “surpresa e estupefação”, embora confesse que “até estava mais à espera de ganhar na categoria de música para publicidade, porque é para um anúncio que vai passar em todo o mundo, mas acabou por ser com este filme que se chama Leda”. 

André Barros explicou que tem um “carinho especial por este tema” por ter sido “gravado no estúdio dos Sigur Rós na Islândia, onde estagiei em 2012”, explica. O músico português mostrou-se “muito feliz com este prémio” e também com a “oportunidade para promover várias reuniões com realizadores e produtores, para trabalhar em novos projetos. 50% do trabalho é procurar novos contactos, porque as coisas não caem do céu“, disse enquanto aguardava pelo voo de ligação entre Madrid — onde fez escala –, e Lisboa.

O álbum de jazz “Trapézio”, da cantora Susana China, foi nomeado em duas categorias: melhor álbum de jazz com voz – que distingue o intérprete – e melhor arte/fotografia de álbum, que poderia distinguir a designer Mariana Seiça.

O prémio de melhor álbum de jazz com voz foi para Camille Thurman, com “Waiting for the Sunrise” e o vencedor de melhor arte/fotografia de álbum foi Cody Blocker.

Sandra Correia fez parte das nomeações para melhor álbum de música tradicional, pelo álbum “Aqui Existo”, categoria que premiou Sara Ajnnak pelo álbum “Gulldalit: Can You Hear Me”.

Os Independent Music Awards contaram este ano com mais de 400 artistas “indies” (independentes) nomeados pelo seu trabalho em mais de 100 categorias, entre as quais se consideram álbuns, canções, vídeos, produção, fotografia e design.

Natural da Marinha Grande, André Barros estreou-se em 2013 com o álbum “Circustances” e continuou em 2015 com “Soundtrac Vol. One”, em 2016 com “In Between” e 2017 com “Reasons”. Os seus trabalhos são incluídos e utilizados também nas indústrias publicitária e cinematográfica.

O compositor ganhou um prémio de melhor banda sonora em 2015, nos prémios Los Angeles Independent Film Festival Awards, pelo trabalho musical na curta metragem norte-americana “Our Father”, de Linda Palmer.

Em 2017, André Barros foi nomeado para os Hollywood Music in Media Awards.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)