Rádio Observador

Portugal 2020

Portugal foi o 7.º país da UE com menos pedidos de asilo em 2018, maioria de Angola

Portugal foi, em 2018, o sétimo país da UE com menos pedidos de asilo, 1.285 no total, a maioria vindos de Angola, num ano em que estas solicitações de ajuda internacional caíram na região.

OLIVER WEIKEN/EPA

Portugal foi, em 2018, o sétimo país da União Europeia (UE) com menos pedidos de asilo, 1.285 no total, a maioria vindos de Angola, num ano em que estas solicitações de ajuda internacional caíram na região.

Segundo o Relatório Anual sobre a Situação do Asilo na UE 2018, realizado pelo gabinete europeu de apoio nesta matéria e hoje divulgado em Bruxelas, 18% dos pedidos de asilo feitos no ano passado a Portugal vieram de Angola, sendo esta a nacionalidade de requerentes mais representativa.

Em comparação com 2017, os pedidos de asilo feitos a Portugal caíram 27% para 1.285, que é, inclusive, o número mais baixo dos últimos três anos.

Tendência semelhante foi registada em toda a UE (incluindo países como Suíça, Noruega, Listenstaine e Islândia, que são incluídos no relatório), com os pedidos de asilo a registarem uma diminuição de 10% em 2018 para 664.480, número semelhante ao registado antes da crise migratória de 2015.

Alguns destes pedidos eram repetidos. Em 2018, existiam, desde logo, 896.560 pedidos de asilo pendentes na região.

Já a taxa de aprovação em primeira instância dos Estados-membros alvo destes pedidos rondou os 39%, sendo que 55% das decisões positivas permitiram conceder o estatuto de refugiado aos requerentes.

Nesta região, o país com maior número de pedidos no ano passado foi a Alemanha, com 184.180, a maioria vindos de sírios, seguindo-se França com um total de 120.425 e de, maioritariamente, afegãos e ainda a Grécia, com cerca de 66.965 pedidos, grande parte de sírios.

Ainda no topo da lista estava Itália (com 59.950 pedidos, maioria vindos do Paquistão) e Espanha (com 54.050, destacando-se os requerentes da Venezuela).

Segundo o relatório desta agência da UE, a maior parte de requerentes de asilo em 2018 eram oriundos da Síria (85.575), Afeganistão (47.250), do Iraque (45.565), do Paquistão (29.260) e da Nigéria (26.455).

No ano passado, as maiores subidas registaram-se, por seu turno, nos pedidos que provieram da Geórgia (+67%, num total de 20.240), da Venezuela (+55%, num total de 22.530) e da Turquia (+49%, num total de 24.800).

Relativamente a este ano, o Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo aponta um aumento no número de pedidos, mas salienta ser “ainda muito cedo para estimar uma mudança significativa de longo prazo nas tendências recentes”, que têm sido de redução.

Até final de maio, foram registados cerca de 290 mil pedidos de proteção internacional na UE, Suíça, Noruega, Listenstaine e Islândia, uma subida de 11% face ao período homólogo, segundo esta agência europeia.

Os principais requerentes eram, nestes primeiros cinco meses do ano, oriundos da Síria (8%), Afeganistão e Venezuela (ambos 7%).

“Neste período assistiu-se a um acréscimo dos pedidos registados por cidadãos latino-americanos. Os cidadãos venezuelanos apresentaram cerca de 18.400 solicitações de asilo, quase o dobro do que no mesmo período de 2018, enquanto os cidadãos colombianos apresentaram três vezes mais pedidos. Também foram registados aumentos de oriundos de El Salvador, Honduras, Nicarágua e Peru”, adianta este organismo da UE em comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sustentabilidade

O Manifesto da 2ª Ruralidade

António Covas

Como venho a defender, sem uma boa “curadoria territorial” as medidas do programa de valorização do interior revelarão, muito provavelmente, a breve trecho, o seu lado inorgânico e difuso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)