Rádio Observador

Fundação Calouste Gulbenkian

Relação de 50 anos entre “A Gulbenkian e o Cinema Português” vai ser celebrada em julho

A relação de 50 anos entre "A Gulbenkian e o Cinema Português" vai ser celebrada em julho, com a exibição de 15 filmes de nove realizadores, sob o lema "Memória do Futuro".

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A relação de 50 anos entre “A Gulbenkian e o Cinema Português” vai ser celebrada em julho, com a exibição de 15 filmes de nove realizadores, sob o lema “Memória do Futuro”, anunciou a Fundação Calouste Gulbenkian.

A 4.ª edição do ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português” tem curadoria de António Rodrigues e vai mostrar 15 filmes, apoiados pela fundação, em termos de produção e de internacionalização, dirigidos por nove realizadores de diferentes gerações.

Durante seis dias, essas 15 curtas e longas-metragens serão exibidas em seis sessões, divididas por três temáticas — “O Futuro da Memória”, “Artistas Filmados” e “Os Anos Gulbenkian” –, que vão contar com alguns dos realizadores em foco.

Sob o tema “O Futuro da Memória”, que inicia e fecha o ciclo, é apresentado, no primeiro dia, o filme “A Volta ao Mundo quando Tinhas 30 anos” de Aya Koretzky, com a presença do crítico de cinema Bernardo Vaz de Castro, e, no último dia, a encerrar a edição, é projetado o filme “Actos de Cinema”, do realizador Jorge Cramez.

Para António Rodrigues, curador do evento, as duas produções “apontam para o futuro e são filmes sobre memória, pessoal ou alheia, que abarcam o que já foi feito e fazem parte do mesmo património”, lê-se no comunicado da fundação.

“Os Anos Gulbenkian” ocupam a programação dos dois sábados do ciclo, dias 06 e 13 de julho. Retratam um “segmento histórico entre 1969, ano da inauguração da sede da Fundação Calouste Gulbenkian e da sua abertura ao público, e 1972”.

Num Portugal ainda muito fechado, durante a ditadura, foi no Serviço de Belas-Artes da Fundação que muitos artistas e cineastas encontraram a oportunidade de criar em liberdade, “como quem olha para o céu, enquanto tem os pés na terra”, diz o curador António Rodrigues, citado pelo comunicado da Gulbenkian.

As duas sessões dos “Anos Gulbenkian” incluem nove pequenos filmes dos cineastas Paulo Rocha e António-Pedro Vasconcelos, da realizadora, artista e escritora Ana Hatherly e do artista plástico Luís Noronha da Costa, vindos da primeira geração de apoios da Gulbenkian ao cinema português.

No dia 06, com a presença do diretor da Cinemateca Portuguesa, José Manuel Costa, é apresentada “A Pousada das Chagas”, de Paulo Rocha, “Revolução”, de Ana Hatherly, e “27 Minutos com Fernando Lopes Graça”, de António-Pedro Vasconcelos, obras que oscilam entre os anos de 1968 e 1975.

No sábado seguinte, são exibidas curtas-metragens do artista plástico Luís Noronha da Costa, numa sessão que conta com a presença do realizador André Dias.

Com uma obra cinematográfica menos conhecida — apenas revelada publicamente pela Cinemateca em 2004, a par da retrospetiva “Noronha da Costa Revisitado”, no Centro Cultural de Belém — o pintor, escultor, arquiteto é também cineasta, “no sentido metafórico”, por evidentes “relações da sua pintura com o cinema”, mas também “em sentido próprio”, tendo sempre considerado “fundamentais, no seu percurso estético”, os filmes que dirigiu, como a Cinemateca Portuguesa escreveu, numa segunda apresentação destas obras em 2012.

A sessão de 13 de julho reúne as mais antigas curtas-metragens de Noronha da Costa, que o antigo diretor da Cinemateca João Bénard da Costa definiu do seguinte modo: “‘As Três Graças’, um binómio cinema-pintura, a imagem como espelho ou como espelho da imagem. ‘Casa sobre Casa’, uma tentativa ‘impossível’ de colar imagem à imagem do real. ‘Manuela’, um filme sobre e com [a atriz] Manuela de Freitas, filmado na Comuna, pouco depois da criação deste grupo teatral. ‘A Menina Maria’, uma obra fundamental para a afirmação de Noronha da Costa como cineasta, sendo simultaneamente de experimentação e um divertimento libérrimo, determinante no percurso do artista. (…) ‘Murnau’, o fantasma de Murnau na tela, prolongando até ao paroxismo o jogo de duplos e o jogo de espectros”.

Quanto a “Padres”, que encerra a sessão, trata-se de uma obra de ficção que, de acordo com a revista FilmAffinity, de Espanha, “começa com um plano fabuloso”, sobre dois gatos.

Nos dias 07 e 12 de julho, o ciclo conta com sessões dedicadas aos “Artistas Filmados”, documentários realizados com apoio da Fundação, sobre artistas contemporâneos portugueses.

É o caso de “Ver o Pensamento a Correr” (1995), sobre António Palolo, um filme dirigido por Jorge Silva Melo, a apresentar no dia 07, sexta-feira, que parte de uma exposição do artista no Centro de Arte Moderna.

Na mesma sessão será igualmente exibido “Pintura Habitada” (2006), um documentário de Joana Ascensão sobre o trabalho de Helena Almeida.

Uma semana depois, em 12 de julho, serão exibidos “Da Natureza das Coisas”, uma abordagem à obra de Carlos Nogueira pelo realizador Luís Miguel Correia, e “Blind Runner — An Artist Under Surveillance”, de Luís Alves de Matos, um documentário entre o género ‘road movie’ e o ‘thriller’, sobre o trabalho de João Louro.

O ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português” é de entrada gratuita, sujeita a levantamento de bilhetes, e vai na 4.ª edição.

Nas três anteriores abordou os temas “Territórios de Passagem”, “Ensaio e Ficção” e “A Intimidade e o País: Um desejo de Futuro”, com a exibição de 28 filmes de produção portuguesa, dirigidos por cerca de 20 realizadores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comportamento

Berardo, raiva e Fundações 

Luis Plácido dos Santos
165

Todos os comentários enraivecidos se compreendem e devem ser levados a sério, mas convém não perdermos de vista as mais-valias das fundações, sobretudo no contexto atual de complexidade e desigualdade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)