Rádio Observador

Ciência

Sémen congelado é viavel para reproduzir humanos fora da Terra

Estudo demonstrou que a microgravidade não altera os componentes do esperma humano congelado e que a concentração, mobilidade, vitalidade e fragmentação do ADN espermático se mantém.

Estudo foi desenvolvido por Investigadores da clínica Dexeus Mulher e da Universidade Politécnica da Catalunha

Carsten Koall/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

Investigadores da clínica Dexeus Mulher e da Universidade Politécnica da Catalunha demonstraram que o sémen congelado mantém a viabilidade em condições de gravidez no espaço, pelo que poderia servir para fazer reproduções da espécie humana fora da Terra.

A investigação, a apresentar na terça-feira no 35.º Congresso da Sociedade Europeia de Reprodução e Embriologia em Viena, Áustria, é um primeiro passo de um projeto mais amplo para ver a viabilidade de criar bancos de gâmetas no espaço e reproduzir a espécie humana fora do planeta”, reconheceu a médica que liderou o trabalho, Montserrat Boada.

Vários estudos descreveram como a gravidade afeta a gravidez, as estruturas celulares e moleculares, o sistema cardiovascular, nervoso e endócrino, bem como os tecidos musculares, mas o seu impacto sobre as células germinais, como os espermatozoides e os óvulos, e sobre a reprodução humana “não se conhece com detalhe”, garante Boada.

Por este motivo, investigadores da Dexeus Mulher de Barcelona e engenheiros da Universidade Politécnica da Catalunha (UPC) analisaram se a exposição a condições de microgravidade similares às que se verificam no espaço exterior afetavam diversas amostras de esperma congelado.

O trabalho demonstrou que a microgravidade não prejudica a viabilidade do esperma humano congelado e que a concentração, mobilidade, vitalidade e fragmentação do ADN espermático “não ficou alterada” em qualquer destes testes, explicou à agência Efe a especialista.

“No ano passado, a NASA anunciou um estudo na mesma linha denominado Micro-11, que investiga os efeitos da microgravidade na Estação Espacial Internacional, mas até ao momento não publicou os resultados obtidos”, frisou Boada, assegurando que este é “o primeiro estudo sobre os efeitos da microgravidade em amostra de esperma humano congelado”.

“Se no futuro tivermos de reproduzir-nos fora da Terra, como será? Talvez a reprodução assistida seja uma técnica mais comummente usada”, sugeriu Boada.

O estudo foi feito com dez amostras de sémen de dez voluntários sãos e cada uma delas foi dividida em duas frações: uma para o estudo em condições de microgravidade e outra de controlo.

As amostras foram congeladas em nitrogénio líquido a -196 graus e as frações para a experiência foram introduzidas num tanque específico para transporte aéreo colocado numa avioneta do Aeroclube de Barcelona-Sabadell destinada a voos acrobáticos para estudos científicos.

A avioneta fez 20 manobras para submeter as amostras a condições de microgravidade durante oito segundos em cada manobra, utilizando a técnica de queda livre, que “produz condições totalmente equiparáveis às que ocorrem em voos especiais e às que vive um astronauta em órbita”, explicou o professor da UPC Antoni Pérez-Poch.

Após estas manobras, o esperma foi descongelado e analisado e comparou-se com as frações de controlo de cada doador, que foram descongeladas e estudadas em paralelo para ver se havia variações na sua capacidade fértil, concentração, mobilidade, vitalidade, morfologia e fragmentação do ADN espermático.

Os resultados revelaram que não havia diferenças significativas em qualquer destes parâmetros entre as amostras submetidas a microgravidade e às que se mantiveram nas condições de gravidade terrestre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)