Rádio Observador

Doenças Cardiovasculares

Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca divulga guia europeu sobre a doença

Um guia que retrata a insuficiência cardíaca na Europa será divulgado esta terça-feira em Lisboa. Documento surge com o objetivo de dar "mais notoriedade" à doença.

Estima-se que a Insuficiência Cardíaca aumente em 73% número de mortes, em 2036, em Portugal continental, comparando com 2014

A Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca (AADIC) divulga esta terça-feira um documento europeu que “espelha a urgência” de uma tomada de ação sobre a forma como se está a encarar a insuficiência cardíaca na Europa.

‘The Handbook of multidisciplinary and integrated heart failure care’ foi elaborado pela ‘Heart Failure Policy Network’(HFPN), uma rede formada por profissionais de saúde, associações de doentes, agentes políticos e outras entidades de toda a Europa, criada com o intuito de chamar a atenção para a insuficiência cardíaca e as necessidades existentes no diagnóstico, gestão e tratamento desta doença.

O guia, que faz o retrato da insuficiência cardíaca (IC) na Europa, vai ser debatido nesta terça-feira em Lisboa numa conferência promovida pela ADDIC, que considera ser de “elevada importância” promover uma discussão em torno da urgência de uma gestão eficaz da insuficiência cardíaca em Portugal.

“Queremos fazer deste um momento de viragem na defesa de uma causa que é de todos nós: melhorar a esperança e qualidade de vida de todos os cidadãos”, disse o presidente da associação, Luís Filipe Pereira.

Este evento é “uma oportunidade” de chamar a atenção para esta doença e os participantes, entre os quais a Direção-Geral da Saúde, médicos, deputados da comissão parlamentar da saúde, sociedades científicas, associações de doentes, investigadores, comentarem e analisarem os atuais desafios, soluções e recomendações para o futuro no tratamento da IC.

“É uma doença que poderá ser considerada daqui para frente uma das epidemias, ainda não declaradas, porque neste momento 400.000 pessoas [portugueses] poderão ter insuficiência cardíaca e uma pequena fração é que está consciente disso”, disse Luís Filipe Pereira à agência Lusa, sublinhando que a Insuficiência Cardíaca tem uma mortalidade elevada quando diagnosticada tarde.

Contudo, vincou, está “a ganhar cada vez mais notoriedade, no sentido de as pessoas terem consciência dela”.

O guia defende que é preciso diagnosticar cedo e corretamente o tipo de Insuficiência Cardíaca e as suas causas para tomar decisões de tratamento eficazes.

“É um documento muito útil para que, em Portugal, possamos ter informação que dê às pessoas a possibilidade de estarem avisadas” sobre uma doença que pode ser prevenida com hábitos de vida saudáveis, disse o presidente da associação.

Depois da apresentação deste guia, será elaborado um documento nacional com o objetivo de divulgar informação para “prevenir a insuficiência cardíaca, fazendo-a do conhecimento da população em geral”.

A Insuficiência Cardíaca é “uma preocupação europeia”, onde se estima que vá aumentar a sua prevalência. “Em Portugal, pensa-se que até 2030 possa aumentar 50 a 70% e tudo isso são razões para que a nossa associação possa estar envolvida e tenha tido esta iniciativa de trazer informação para a população”, sublinhou.

Um estudo realizado pelo Centro de Medicina Baseada na Evidência (CEMBE), da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, estima que a Insuficiência Cardíaca registe um aumento do número de mortes de 73% em 2036, em Portugal continental, em comparação com a mortalidade no ano de 2014.

A projeção para 2036 feita pelos investigadores do estudo prevê ainda que a carga total da doença vai sofrer um aumento de 28% face a 2014, o que se traduz em 16,8 mil anos de vida perdidos por morte prematura e uma perda de 10,3 mil anos devido à incapacidade gerada pela doença.

A Insuficiência Cardíaca é uma situação clínica debilitante e potencialmente fatal, em que o coração não consegue bombear sangue suficiente para todo o corpo, sendo os sintomas dificuldade em respirar, pernas inchadas devido a acumulação de líquidos, fadiga intensa, tosse ou pieira, náuseas e aumento de peso devido à acumulação de líquidos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
2.404

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)