Rádio Observador

Salários

Em Lisboa ganha-se mais 450 euros do que a média nacional

601

A contar com subsídios e prémios de produtividade, em Lisboa a média salarial é 450 euros superior à média nacional. Doze dos 24 concelhos mais bem pagos ficam em Lisboa. Os piores ficam no norte.

No setor privado, é em Lisboa que as remunerações são maiores

AFP/Getty Images

A média salarial na cidade de Lisboa é 39% maior do que a média nacional, um valor que corresponde a mais 450 euros no final do mês, indicam os dados da Segurança Social de 2017. Segundo o Jornal de Notícias, que avança essas estatísticas, a Área Metropolitana de Lisboa é a única região onde a remuneração-base e o ganho médios mensais de quem trabalha no setor privado é superior à média nacional. Dos dez concelhos onde pior se ganham, sete ficam no norte do país.

De acordo com os dados da Segurança Social, a remuneração média mensal de um trabalhador do setor privado em Lisboa é de 1.294 euros — um valor 354 euros superior à média nacional de 940 euros. Mas se a essa remuneração se somarem outros ganhos, como prémios, subsídios e pagamento de horas extra, a diferença aumenta ainda mais: se no resto do país, a média nacional fica nos 1.131 euros, em Lisboa o valor já ascende aos 1.579 euros — mais 448 euros.

No outro lado do espectro estão maioritariamente concelhos do norte, analisa o Jornal de Notícias. Celorico de Basto (640 euros), Penedono (645 euros), Mondim de Basto (646 euros), Resende (os mesmos 646 euros), Vinhais (657 euros), Lousada (658 euros) e  Sernancelhe (664 euros) têm remunerações-base mensais quase 30% mais baixas do que a média nacional. Mesmo se alargarmos as contas aos ganhos extra, estes concelhos continuam onde pior se recebe.

Por contraste, 12 dos 24 concelhos melhor remunerados em Portugal ficam na Área Metropolitana de Lisboa: Alcochete (2.331,20 euros), Oeiras (1.740,20 euros), Lisboa (1.579,20 euros), Palmela (1.367,50 euros), Amadora (1.350,40 euros), Seixal (1.199,30 euros), Vila Franca de Xira (1.190,40 euros), Setúbal (1.185,10 euros), Sintra (1.180, 90 euros), Loures (1.159,90 euros), Cascais (1.156,30 euros) e Almada (1.097,40 euros). Fora de Lisboa, o Jornal de Notícias destaca ainda os valores de Sines (1.733 euros), Castro Verde (1.737 euros) e Campo Maior (1.209,20 euros).

Questionado pelo Jornal de Notícias, o economista Carballo-Cruz explica que essas diferenças entre cidades portuguesas surgiram por causa da “tipologia e tamanho das empresas, uma vez que as multinacionais e as exportadoras pagam melhores salários”. Para ele, apesar de essas empresas exportadoras serem comuns no norte do país, “o tipo de produtos exportados e o seu valor acrescentado” é superior em Lisboa do que no norte: “Os serviços são mais valiosos do que os produtos industriais”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)