Rádio Observador

Migrações

Ferro escreveu a homólogo italiano sobre português investigado por ajudar refugiados

395

O presidente da Assembleia da República manifestou a consternação dos deputados portugueses ao parlamento italiano com o processo instaurado a Miguel Duarte por salvar migrantes do Mediterrâneo.

"Miguel Duarte agiu por razões humanitárias, imbuído de um espírito de solidariedade, sem qualquer intuito de violar a lei", escreveu Ferro Rodrigues

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente da Assembleia da República transmitiu ao homólogo italiano a apreensão do parlamento com o processo de Miguel Duarte, investigado em Itália por suspeita de ajuda à imigração ilegal, defendendo que o jovem português “agiu por razões humanitárias”.

O gabinete do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, adiantou à agência Lusa, numa nota, o teor da carta enviada, e que foi na segunda-feira recebida pelo presidente da Câmara dos Deputados da República Italiana, Roberto Fico.

Ferro Rodrigues transmitiu assim “(…) a apreensão com que a Assembleia da República tem vindo a acompanhar o processo do cidadão português Miguel Duarte, indiciado pelas autoridades italianas do crime de auxílio à imigração ilegal, por ter participado em missões de resgate de migrantes e refugiados no Mediterrâneo, a bordo do navio Iuventa, integrado na ONG alemã Jugend Rettet”.

“(…) Miguel Duarte agiu por razões humanitárias, imbuído de um espírito de solidariedade, sem qualquer intuito de violar a lei”, destacou.

O presidente da Assembleia da República transmitiu ao homólogo italiano a consternação dos deputados portugueses, “independentemente da sua orientação política, perante o tratamento de quem, como Miguel Duarte, apenas pretende prestar auxílio a pessoas em situação de perigo”, cumprindo “as normas internacionais de socorro e em respeito pela integridade da vida humana”.

“Ressalvando não pretender colocar em causa o princípio da separação de poderes que, tal como em Portugal, está na base da República Italiana, ou sequer interferir nos assuntos internos daquele Estado, Eduardo Ferro Rodrigues refere na missiva que ‘(…) o que está em causa aqui é uma questão de direitos humanos, de salvaguarda de vidas humanas, e isso não pode constituir um crime‘, pode ler-se na mesma nota enviada à agência Lusa.

Miguel Duarte e mais nove ex-tripulantes do Iuventa, um navio pertencente à organização não-governamental (ONG) alemã de resgate humanitário no Mediterrâneo, foram constituídos arguidos e estão sob investigação em Itália por suspeita de ajuda à imigração ilegal.

Nesta segunda-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros adiantou à agência Lusa que vai reunir-se “muito brevemente” com Miguel Duarte.

No início da semana passada, numa reunião no parlamento, a coordenadora do BE, Catarina Martins, agradeceu a Miguel Duarte o seu trabalho e instou o Governo português a transmitir a sua reprovação ao executivo italiano.

No dia seguinte, na quarta-feira, o Presidente da República considerou em declarações ao Observador que “só é de louvar” o comportamento do jovem português Miguel Duarte, que ajudou a salvar migrantes no Mediterrâneo, e disse acompanhar o Governo no “apoio a esse compatriota”.

Nessa mesma quarta-feira, o líder do grupo parlamentar do PS, Carlos César, sugeriu ao presidente da Assembleia da República que tomasse uma posição em relação a este caso do português, que defendeu  merecer “uma posição institucional elevada”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)