Rádio Observador

Jerónimo De Sousa

Jerónimo critica PS por pensar em maioria absoluta para não ter de se entender com CDU

Jerónimo de Sousa reagia a declarações de Carlos César que disse ser fundamental uma vitória socialista com "maioria expressiva" nas legislativas para "evitar bloqueios" e libertar-se de "inércias".

Jerónimo de Sousa defendeu que "é preciso avançar e não andar para trás, como pretendem PS, PSD e CDS"

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral do PCP criticou esta terça-feira o PS por estar a “pensar” em conquistar uma “maioria absoluta” nas próximas eleições legislativas para não ter de “prestar contas a ninguém”, nem entender-se com a CDU.

Num discurso numa sessão pública em Beja, Jerónimo de Sousa reagia a declarações do líder parlamentar do PS, Carlos César, que, na segunda-feira, disse ser fundamental uma vitória socialista com “maioria expressiva” nas legislativas para “evitar bloqueios” e libertar-se de “inércias” e reivindicou para o PS, não para o PCP ou Bloco, a responsabilidade pelos resultados na economia.

Segundo Jerónimo de Sousa, o “regresso” de PSD/CDS ao Governo “seria retomar um rumo de afundamento nacional” e “o PS de mãos livres significará a não resolução dos problemas estruturais do país, seja nos serviços públicos, seja no investimento público ou no combate às desigualdades”.

Prova provada está nas declarações [de segunda-feira] de um alto responsável do PS [Carlos César], que veio falar de bloqueios e de inércia sem dizer porquê, sem dizer quem, sem dizer como, mas o que esta mensagem embrulhada e redonda significa é que o PS está a pensar que a solução boa seria uma maioria absoluta, porque assim não tinha de prestar contas a ninguém, nem convergir, nem entender-se com aqueles que sempre estiveram prontos para esses avanços”, ou seja, a CDU, afirmou Jerónimo de Sousa.

Na sessão pública, que serviu para apresentar o atual deputado João Dias como primeiro candidato da CDU às legislativas pelo círculo eleitoral de Beja, o líder do PCP acusou o Governo PS de “propalar” a ideia de que está a resolver os problemas do país, mas “trata-se de uma completa mistificação”.

“Propalam a ideia de que se estão a resolver os problemas do país, dando como exemplo o crescimento da economia, aquém do que é preciso e anémica, e a diminuição do défice, mas trata-se de uma completa mistificação, já que os problemas de fundo que marcam a realidade portuguesa não foram, nem estão resolvidos e persistem graves problemas económicos e sociais sem resposta”, disse.

Jerónimo de Sousa frisou que o PCP sabe “bem quão positivo foi o que se conseguiu” na atual legislatura, devido à intervenção da CDU na “relação de forças na Assembleia de República”, mas também sabe que o que se conseguiu foi “insuficiente e limitado”.

Sabemos que se ficou aquém na solução de muitos outros problemas a que era urgente dar resposta, porque o governo do PS, tal como antes PSD e CDS, optou pela política de submissão às imposições do Euro e da União Europeia e pela subordinação aos interesses do capital monopolista e com eles os constrangimentos, atrasos e problemas estruturais que o país enfrenta”, disse.

Segundo Jerónimo de Sousa, “derrotou-se, em 2015, a versão mais retrógrada da política de direita, mas não a política de direita, que se mantém nos seus traços mais determinantes nas opções da governação do país, pela mão do PS, em convergência com PSD e CDS”.

Portugal “continua a sofrer as consequências da política de direita de décadas de governos de PS, PSD e CDS” e com a qual “é urgente romper”, frisou.

Jerónimo de Sousa defendeu que “é preciso avançar e não andar para trás, como pretendem PS, PSD e CDS” e “é inquestionável que Portugal precisa de outras soluções e a CDU tem soluções e propõe-nas ao povo” para a “resolução dos problemas do país”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro
105

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)