Rádio Observador

Copa América

O Chile quer o tri na Copa América e Jara tem ideias ao pontapé: mas o rumo certo foi apontado por Cavani

Chile e Uruguai decidiram o primeiro lugar do grupo e a quem saía a fava de encontrar a Colômbia nos quartos da Copa América. Ganharam os uruguaios mas Jara ainda foi a tempo de ser protagonista.

O central do Estudiantes parou um invasor de campo ao pontapé

Getty Images

O jogo entre Chile e Uruguai desta segunda-feira, a contar para a última ronda da fase de grupos da Copa América, significava bem mais do que a simples passagem aos quartos de final. Afinal, e mesmo tendo em conta que Japão e Equador também se encontravam e ainda tinham uma palavra a dizer quanto à aparência final do grupo, era muito complicado que qualquer uma das seleções ficasse sem um lugar na fase seguinte. Entre Chile e Uruguai, o problema em questão era outro: o caminho a seguir depois da fase de grupos.

O atual bicampeão sul-americano e a seleção que eliminou Portugal nos oitavos do Mundial da Rússia sabiam que, quem quer que fosse que ficasse na segunda posição do grupo, iria cruzar com a Colômbia nos quartos de final. Ora, a seleção colombiana de Carlos Queiroz venceu os três jogos da fase de grupos e não sofreu qualquer golo, tornando-se nesta altura a principal candidata à vitória final na Copa América. Uma vitória no jogo desta segunda-feira, significava para Chile e Uruguai a fuga à Colômbia e a solução mais aprazível de encontrar o Peru nos quartos de final.

A fava, digamos assim, calhou ao Chile. A seleção uruguaia, onde Sebastián Coates foi suplente utilizado, venceu pela margem mínima graças a um golo de Cavani e ficou no primeiro lugar do grupo C, prosseguindo pelo caminho teoricamente mais fácil. Já o Chile, onde Castillo, avançado emprestado pelo Benfica ao América, também entrou no decorrer do jogo, vai mesmo encontrar a Colômbia já no próximo sábado. A partida não terminou sem mais um episódio polémico protagonizado pelo chileno Gonzalo Jara em jogos contra o Uruguai: quatro anos depois de provocar Cavani e acabar por motivar a expulsão do avançado, que o agrediu, o central do Estudiantes intercetou ao pontapé um invasor de campo uruguaio que entrou no relvado a cerca de 15 minutos do apito final. Suárez ainda reagiu e os dois jogadores estiveram perto de chegar a agressões mas o assunto acabou por ser resolvido pela equipa de arbitragem.

No outro jogo do grupo, entre Equador e Japão, as duas seleções sabiam que um empate significava a eliminação de ambas mas foi exatamente isso que acabaram por não conseguir evitar. Nakajima, antigo jogador do Portimonense que tem sido associado ao FC Porto no atual mercado de transferências, inaugurou o marcador ainda dentro do primeiro quarto de hora mas Ángel Mena, avançado equatoriano, empatou ainda antes do intervalo. O empate favoreceu ainda o Paraguai, que é então um dos dois melhores terceiros classificados da fase de grupos — a par do Peru — e garante assim uma vaga nos quartos de final. Fechada a fase de grupos da Copa América, a próxima fase terá um Brasil-Paraguai, um Venezuela-Argentina, um Colômbia-Chile e um Uruguai-Peru.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)