A Polícia Judiciária deteve na manhã desta terça-feira 14 empresários suspeitos “da prática dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais”, esclareceu a Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ esta terça-feira.

Os detidos na Operaão Osíris têm entre os 20 e os 77 anos e são suspeitos de pertencer a uma rede organizada desde, pelo menos, 2017, que se dedicava à fraude intracomunitária ao IVA na aquisição de equipamentos de telecomunicações.

Em comunicado, a mesma fonte esclareceu que “recorriam à constituição de sucessivas sociedades unipessoais sem qualquer atividade real e à subsequente emissão de faturação, sem que o valor do IVA tenha sido entregue aos cofres do Estado”.

Desta forma, aproveitavam a isenção que existe para vendas transfronteiriças. O ciclo repetia-se e eram criadas novas empresas. Até ao momento foi apurado um prejuízo superior a 6 milhões e meio de euros.

A rede utilizava plataformas de venda online que, pela grande dimensão que tinham no mercado, permitiu “obter uma exposição e volume de vendas que de outra forma não teriam alcançado”.

Os detidos vão ser ouvidos na quarta-feira por um juiz do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

Notícia atualizada às 15h15