Rádio Observador

PSD

PSD “disponível” para “revisitar” áreas essenciais da lei de bases da Saúde, segundo Rui Rio

152

Rui Rio disse que o PS fez uma negociação com PCP e BE e que "a maioria das propostas do PSD" para a lei de bases da Saúde "foram reprovadas", mas mostrou-se disponível para "revisitar algumas áreas".

"Nós estamos a dizer que estamos disponíveis nestas três áreas a revisitar. Não vamos aproveitar-nos e exigir tudo", concluiu Rui Rio

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente do PSD, Rui Rio, disse esta terça-feira que o partido está “disponível para revisitar algumas áreas” da lei de bases da Saúde, enumerando a questão das parcerias público-privadas (PPP), direitos dos cidadãos, saúde pública e bem-estar.

Rui Rio, que falava no Porto em conferência de imprensa, referiu na tarde desta terça-feira que “o PS fez uma negociação exclusiva com PCP e BE” e que “a maioria das propostas do PSD” para a lei de bases da Saúde “foram reprovadas”, mas mostrou-se disponível para “revisitar algumas áreas”.

“Agora, o PS disse publicamente que estaria disponível para revisitar as votações no sentido de se conseguir uma lei de bases com maioria no parlamento, neste caso com o PSD. Nós estivemos a fazer o levantamento do que foi reprovado no grupo de trabalho e estamos a comunicar ao PS que estamos disponíveis para revisitar as votações em três áreas fundamentais”, disse Rui Rio.

A gestão e o funcionamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), área na qual se incluem as PPP, foi a primeira área enumerada.

As PP não são a regra, mas podem ser feitas no quadro da gestão do SNS. Sempre dissemos que essa porta tem de estar aberta porque não é racional que se tiver uma solução melhor e mais barata um país diga que não quer. Se em determinados hospitais públicos existir uma oferta privada mais barata e com melhor serviço, não é inteligente, por tabu ideológico, dizer ‘não querermos’. O PS que nos diga o que podemos adaptar da nossa proposta para existirem condições de colher o voto favorável do PS”, disse Rui Rio.

Já no período destinado a perguntas, ainda sobre a questão das PPP, o líder do PSD frisou que esta posição não é sinónimo de se pensar que “o PSD acha que o SNS tem de ser privatizado”.

“As PPP são uma exceção. Nós achamos que se pode ser feito melhor e mais barato não deve existir um tabu ideológico a impedir a qualidade no SNS. Mas é uma exceção. Não vejo a política como as massas associativas do futebol de uns contra os outros. Se em causa está servir o país porque não revisitar as propostas?”, questionou.

O presidente do PSD também quer que as propostas sobre direitos dos cidadãos, bem como saúde pública e bem-estar sejam “revisitadas” e considerou fundamental que esta Lei de Bases tenha “coerência e unidade jurídica”.

Se essa lei vier a ser votada favoravelmente, a Assembleia da República tem depois de ajustar a coerência e a unidade jurídica da lei. É que houve tantos remendos que a lei esta carente de coerência. Não podemos correr o risco do Presidente da República não poder promulgar a lei por esta não ter a qualidade que ela deve ter”, disse Rui Rio.

O presidente dos sociais-democratas apontou, ainda, que “não houve reunião nenhuma” com o PS, mas que interpretou as últimas declarações dos socialistas como “um desafio do PS ao PSD”.

“Nós estamos a dizer que estamos disponíveis nestas três áreas a revisitar. Não vamos aproveitar-nos e exigir tudo. Vamos olhar ao essencial”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)