A BMW revelou hoje um protótipo que deverá ir para além de um mero exercício conceptual. O Vision M Next pode (e deve) ser visto como uma espécie de declaração de intenções do Grupo BMW, rumo a um futuro cada vez mais electrificado, mais autónomo e mais conectado. São estes, aliás, os principais atributos do concept agora revelado e será esse o futuro dos modelos do construtor bávaro.

Sem que a BMW assuma claramente que este protótipo vai evoluir para um desportivo de produção em série, não deixa de ser curioso notar que o Vision M Next parece partilhar a base do i8. Por outro lado, o protótipo está dotado com um sistema de propulsão muito mais interessante do que aquele que se encontra actualmente no desportivo híbrido da BMW.

12 fotos

De momento, o i8 é proposto por valores que se iniciam nos 150.000€ (coupé), mas em troca oferece ‘apenas’ uma potência total de 374 cv (231 cv do motor a gasolina e 143 cv do motor eléctrico), indo de 0 a 100 km/h em 4,4 segundos. Já a Ferrari, por exemplo, conseguiu “enfiar” 1000 cv no primeiro híbrido plug-in que fez. O recém-apresentado SF90 Stradale extrai 780 cv de um V8 de 4,0 litros, a que junta mais 220 cv de três motores eléctricos…

Certamente para dar resposta às investidas mais enérgicas da concorrência, a divisão desportiva da BMW projecta um coupé com lugar apenas para dois que, embora continue a ser um híbrido plug-in, tem muito mais “alma” que o actual i8. Os 374 cv dão lugar a 600 cv, o que se consegue retirando o tricilíndrico a gasolina e substituindo-o por um motor de quatro cilindros sobrealimentado mais possante. A potência deste não foi revelada, da mesma forma que os dados referentes à componente eléctrica continuam no segredo dos deuses. Mas a capacidade do acumulador (11,6 kWh no i8 – 9,4 kWh úteis) teve de ser revista em alta, pois o Vision M Next consegue percorrer 100 km em modo eléctrico, ou seja, quase o dobro daquilo que o i8 anuncia (55 km) depois da actualização de que foi alvo no final de 2017. Com um arsenal reforçado, os 0-100 km/h cumprem-se em apenas 3 segundos, com a velocidade máxima a estar limitada a 300 km/h (mais 50 km/h do que o actual i8). Para quem quer uma resposta ainda mais pronta ao acelerador, o destaque vai para a função “Boost+”, que deverá funcionar nos moldes tipo KERS.

Visualmente, o concept agora revelado remete para o BMW Turbo de 1972, mas também para o i8 de 2014 e para o M1 de 1978. Tem rasgos futuristas, sobretudo no interior, cujo desenho é muito minimalista, para enfatizar a ideia de estarmos perante uma proposta que demonstra a tecnologia que (ainda) está por vir: do sistema de reconhecimento facial que permite a abertura das portas à nova tecnologia de iluminação Laser Wire. Sem esquecer, claro, a condução autónoma. Para tal, basta accionar o modo de condução EASE e confiar o volante à perícia do sistema.