Rádio Observador

Trabalho

Sindicatos acreditam em respostas na Saúde ainda nesta legislatura

115

Sindicatos consideram que problemas como os recrutamentos, descongelamento, ou as questões relacionadas com a ADSE ainda podem ser resolvidos nesta legislatura.

A necessidade do acordo coletivo trabalho para os técnicos superiores de saúde foi uma das matérias tratadas esta terça-feira

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) acredita que ainda será possível nesta legislatura resolver alguns dos problemas na área da Saúde, seja os descongelamentos das progressões seja os novos recrutamentos, que aguardam resposta das Finanças.

Acreditamos que dentro desta legislatura ainda possa haver condições para, querendo o Governo, alguns dos problemas possam ser resolvidos, seja os novos recrutamentos, seja o descongelamento, ou até as questões relacionadas com a ADSE ou com a necessidade de um acordo coletivo para os técnicos superiores de saúde”, disse à Lusa José Abraão, da FESAP, que se reuniu com a ministra da Saúde esta terça-feira.

O responsável explicou que, em relação aos recrutamentos, a ministra Marta Temido disse que “há um pacote de novas admissões nas diversas profissões à espera nas Finanças” e sublinhou a necessidade de avançar com estas admissões “para suprir necessidades permanentes nos serviços”.

“Há trabalhadores que continuam a dar centenas de horas suplementares, na maior parte dos casos não são pagas e não sabem quando serão eventualmente gozadas”, afirmou José Abraão, acrescentando: “Os trabalhadores estão num ponto de exaustão… o trabalho é muito, os salários baixos e há 19.000 que estão em carreiras gerais que esperam respostas para que o descongelamento se possa fazer, seja agora ou na outra legislatura”.

Na reunião desta terça-feira foram ainda abordados os diversos vínculos (Contrato Individual de Trabalho – CIT ou Contrato de Trabalho em Funções Públicas — CTFP), um assunto em que o sindicalista disse ter transparecido “alguma sensibilidade” por parte do Governo “para regularizar as condições de trabalho (…), nem que seja no futuro”.

“Já não há razão nenhuma hoje para que possam existir CIT e CTFP, que só geram tratamentos diferenciados e injustiças no que diz respeito a trabalhadores que fazem exatamente o mesmo”, sublinhou.

“Abordámos ainda a questão da injustiça gritante quando o Governo tem há mais de um ano um projeto de diploma para alargar e criar condições de inscrição na ADSE para os com contratos individuais trabalho dos hospitais EPE e das empresas municipais. Quanto a isto não há evolução e ficou marcada próxima reunião para o dia 8 de julho”, afirmou.

A necessidade do acordo coletivo trabalho para os técnicos superiores de saúde foi outra das matérias abordadas na reunião, com os sindicatos a defenderem que, depois de se ter feito o mesmo para as carreiras gerais, seria justo que o mesmo acontecesse para aqueles profissionais.

“Esperamos que possa haver condições para os descongelamentos das progressões para os contratos individuais de trabalho. Depois de termos reunido comissões paritárias, pelo menos ficamos com a ideia de que não há caminho marcado para fazer no futuro e daí a greve do dia 28”, explicou José Abraão, lamentando a falta de uma “resposta clara e objetiva” da tutela.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)