Rádio Observador

Peugeot

508 SW. A carrinha que quer bater os SUV

Apesar de estar entre os construtores que mais vende SUV, a Peugeot está decidida em atrair os condutores que não simpatizam com estes veículos mais volumosos e pesados. E a solução é a 508 SW.

As carrinhas continuam a ter lugar no mercado, viradas sobretudo para os condutores que, necessitando de espaço e privilegiando a versatilidade, não morrem de amores pelos SUV, os veículos que hoje estão na moda, mas que são tradicionalmente mais altos, menos aerodinâmicos e mais pesados. E a arma que a Peugeot esgrime para atrair condutores e respectivas famílias é a nova 508 SW.

A carrinha SW deriva directamente da berlina 508 francesa, sendo idêntica até ao pilar B, o central, para a partir daí manter as formas fluídas, mas exibir um tejadilho mais plano, de forma a assegurar um maior espaço interior. As portas sem aros continuam presentes, mas a maior altura atrás torna menos complicado aceder ao banco traseiro na SW. Lá atrás há uma bagageira maior, cujos 530 litros ultrapassam folgadamente os 487 da berlina, garantindo a versatilidade que muitos procuram nos SUV, uma vez que o volume para alojar objectos pode crescer até 1.780 litros, com o rebatimento do banco posterior.

As mecânicas disponíveis na carrinha 508 são as mesmas que já conhecíamos na berlina, com ênfase nos motores a gasóleo, do 1.5 BlueHDi com 130 cv ao 2.0 BlueHDi, com 160 cv e 180 cv. Em alternativa, com preços mais acessíveis mas custos de utilização mais elevados (devido aos consumos mais elevados, de um combustível que ainda é um pouco mais dispendioso), surgem os motores a gasolina, os 1.6 PureTech com 180 cv e 225 cv.

Mas o motor que a Peugeot mais necessita, para cumprir com os 95 g de CO2/km impostos para 2020, é o híbrido plug-in (PHEV) que vai estar disponível antes do final de 2019. A ser oferecido na berlina e na carrinha, esta versão associa o 1.6 PureTech de 180 cv a um motor eléctrico de 110 cv para, em conjunto, assegurarem 225 cv. De caminho permite ainda acesso às ajudas governamentais para os PHEV, consumos médios mais baixos e, curiosamente, apenas 40 km em modo eléctrico, dada a bateria com uma capacidade de 11,8 kWh.

Tivemos a oportunidade de conduzir a nova carrinha 508 numa incursão pelo Alentejo, com ida e volta à barragem do Alqueva. Não há diferenças no conforto, entre o 508 e o 508 SW, tal como não existe em termos de comportamento, aqui residindo a grande vantagem da carrinha face aos SUV. É efectivamente mais leve do que um SUV de comprimento similar, sendo igualmente mais baixa e logo mais aerodinâmica, o que se traduz por mais velocidade e menores consumos.

Isto em auto-estrada, pois quando chegaram as curvas, a carrinha revelou os trunfos devidos ao centro de gravidade mais baixo que exibe. Mais ágil e eficiente, o 508 SW parece um carro de competição face aos SUV, aqui residindo a aposta da marca francesa para os condutores que gostam de conduzir e retirar algum prazer da utilização em estrada.

A nova 508 SW está disponível entre nós, sendo proposta por um valor que, em média, é 1.500€ mais elevado do que a berlina equivalente. Isto coloca-a a partir de 37.200€, para a versão diesel mais acessível, equipada com motor 1.5 BlueHDi com 130 cv e nível de equipamento Active. Para as empresas e particulares, a marca francesa propõe alugueres a partir de 429€ por mês.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)