Rádio Observador

Emigração

A história da foto que retrata a tragédia de pai e filha que morreram ao tentarem entrar nos Estados Unidos

166

Jornalista mexicana conta história dramática de uma família salvadorenha que morreu ao tentar chegar aos Estados Unidos. "Eles queriam o sonho americano", diz repórter.

AFP/Getty Images

A fotografia tirada na fronteira do México com os Estados Unidos mostra dois corpos: um adulto e uma criança — agarrados um ao outro. Mas só a jornalista Julia Le Duc sabe a história daquela tragédia — igual a tantas outras de imigrantes ilegais que tentam chegar a território norte-americano para começar uma nova vida. Foi ela que tirou a foto que está a correr o mundo e contou tudo ao The Guardian.

O adulto Óscar Alberto Martínez Ramírez e a criança era a sua filha Valeria. De acordo com Le Duc, que trabalha num jornal de uma pequena cidade mexicana chamado Matamoros — oposta a Brownsville, Texas — aqueles dois emigrantes ilegais eram naturais de El Salvador.

“No sábado passado houve uma chamada de emergência sobre uma mulher que desesperava à margem do rio”, começa por explicar a jornalista. Ao que parece, o motivo da aflição era a filha pequena da mesma que tinha sido levada pela corrente do rio. A pessoa em questão era Vanessa Ávalos, uma migrante que estava no México há dois meses, assim explicou às autoridades, e que pretendia “pedir asilo aos EUA”.

“Ela disse que eles tinham estado em Tapachula, no sul do México e pretendiam candidatar-se à obtenção de um visto humanitário (que os permitiriam ficar e trabalhar no México durante um ano). Mas eles queriam o sonho americano — e por causa disso apanharam um autocarro até à fronteira”, relatou.

Chegaram ao início da manhã e não perderam tempo em rumar “à ponte internacional” para “perguntar sobre os pedidos de asilo”. Acontece que, por ser fim-de-semana, o gabinete norte-americano responsável pela imigração estava fechado, realidade que se tornava ainda mais complicada pelo enorme fluxo de pedidos que o dito gabinete já estaria a gerir. “Há uns meses existiam cerca de 1800 pessoas à espera, em Matamoros, da entrevista que faz parte do processo de pedido de asilo. Apesar de já terem conseguido atender umas 300 pessoas, só existem três espaços de entrevista por semana, daí a longa espera”, afirma a jornalista.

Perante esta realidade a família começou a voltar para trás até que, a dada altura, Martínez “parou, olho para o rio e disse: ‘É aqui que vamos atravessar'”. Ele foi o primeiro a lançar-se à água e levava com ele a filha pequena, Valeria. Conseguiu à primeira chegar a solo norte-americano e deixou-a lá para voltar para trás e apanhar a mulher.

Foi aqui que tudo correu mal: “Quando ele se voltou para ir buscar a mulher a rapariga foi atrás dele, para dentro de água. Quando ele foi ter com ela para a salvar, a corrente levou-os aos dois.”

De imediato foram chamados os serviços de emergência, que procuraram por pai e filha ate depois das 11 da noite. “Mesmo com luzes e barcos não conseguiram encontrar nada.” Foi na manhã seguinte que continuaram a as buscas até que às 10h15 da manhã os bombeiros encontraram os dois corpos. “Foi nesse momento que tirei as fotografias, antes do local ser vedado pelas autoridades.”

Julia Le Duc é jornalista de crime “há muitos anos”, diz já ter visto “muitos corpos” e vários deles vítimas de afogamentos. “O Río Bravo [também conhecido como Rio Grande] é muito forte, podemos achar que é raso mas tem imensas correntes e remoinhos”. Esta familiarização com a morte, afirma, pode “tornar-nos dormentes”, mas estes exemplos devolvem sensibilidade ao drama vivido por estas pessoas. “Podemos ver que o pai enfiou-a dentro da sua t-shirt para a corrente não a levar. Ele morreu a tentar salvar a filha”, contou.

E será que tudo isto mudará alguma coisa? “Devia”, responde Le Duc.

A jornalista afirma que estas famílias não têm nada e “estão a arriscar tudo” para terem uma vida melhor. Se exemplos dramáticos como este não “não nos fazem repensar”, ou “não motivam os nossos governantes”, a sociedade num todo está em maus lençóis, diz.

O sul do México está a passar por uma grave crise humanitária que o presidente Lopez Obrador está a tentar controlar com a ajuda dos 6000 militares que estão a tentar fechar a fronteira com a Guatemala. O problema é que o norte do México também não está a passar por melhores dias. “Estas famílias estão desesperadas e pessoas desesperadas fazem ações desesperadas”, conclui Le Duc.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)