Rádio Observador

Apple

Apple Pay chega a Portugal através da Mastercard e Visa (mas só a alguns bancos)

O sistema de pagamentos da Apple chega a Portugal para quem é titular de cartões Mastercard e Visa, mas só para quem tem conta no Crédito Agrícola ou nos bancos digitais N26, Monese e Revolut.

o Apple Pay permite aos consumidores fazerem compras através do iPhone, Apple Watch, iPad ou Mac, graças à tecnologia contactless 

Getty Images

Pagar com o sistema de pagamentos da Apple vai ser possível “em breve” em Portugal (e noutros 12 países europeus) para quem tem conta no Crédito Agrícola ou nos bancos digitais N26, Revolut ou Monese e usa cartões Mastercard. Quem tem cartão Visa e conta na Revolut — cartão que funciona com pré-carregamento e permite a conversão instantânea e gratuita entre moedas sem comissões — também vai poder fazê-lo.

O Apple Pay pode ser utilizado nos terminais de pagamento habilitados com sistema contactless (não precisa de toque, basta aproximar o cartão do terminal) a nível global e ppermite aos consumidores fazerem compras através do iPhone, Apple Watch, iPad ou Mac.

Não importa o formato que o consumidor escolhe utilizar, a Visa está focada em continuar a oferecer aos consumidores o método mais simples e seguro de pagar. A introdução do Apple Pay em Portugal, combinada com a tecnologia de tokenização da Visa, irá transformar o modo como os consumidores efetuam pagamentos em Portugal,” refere Paula Antunes da Costa, responsável pelo Visa em Portugal.

A opção da Apple permite fazer compras com o telefone sem expor os dados da conta — os números dos cartões não são armazenados no dispositivo nem nos servidores da Apple — e se o iPhone for roubado, o número da conta digital (token) pode ser desativado pela instituição financeira, sem necessitar de bloquear ou trocar o cartão.

Além dos pagamentos em lojas, restaurantes ou outros espaços offline, o sistema da Apple também permite pagar compras online em apps ou no Safari sem preencher manualmente os formulários. Neste caso, a compra fica concluída com um olhar ou toque (Face ID e Touch ID) ou a senha de um dispositivo.

A Europa é líder na evolução dos pagamentos contactless, em que uma em cada duas transações são contactless. A adesão a este método de pagamento, que oferece mais rapidez e conveniência, demonstra o entusiasmo dos europeus pela adoção de novas tecnologias como o Apple Pay. Igualmente importante é a segurança das transações que é assegurada pela tecnologia de tokenização da Mastercard, que permite uma ligação segura entre um dispositivo móvel e um cartão de pagamento”, afirma Paulo Raposo, diretor-geral da Mastercard em Portugal.

A Monese — serviço financeiro global que é totalmente mobile e que permite criar uma conta bancária digital em pouco menos de 120 segundos — diz que o serviço já está disponível para quem tem conta. Norris Koppel, fundador e CEO da Monese, afirma em comunicado que “temos a possibilidade agora de poder oferecer aos nossos clientes um dos serviços de pagamento mais fáceis e seguros, nos países onde está disponível o Apple Pay e entre eles Portugal”.

Em março, a Apple juntou mais uma novidade ao seu sistema de pagamentos, o Apple Card, um cartão de crédito que se faz no iPhone, gerando um cartão digital que é aceite em “milhões de lojas físicas e online”. A Goldman Sachs vai ser o banco responsável pela emissão destes cartões, colaborando com a MasterCard para que tenham validade internacional.

Na altura, Tim Cook, presidente da Apple, disse que espera 10 mil milhões de transações no Apple Pay em 2019. “O Apple Pay tornou-se na forma preferida de pagar por quase tudo, mas nós queríamos mais, portanto decidimos mudar o cartão de crédito”, afirmou. Ainda não há data para a introdução do cartão Apple Card em Portugal.

*Artigo atualizado às 15h17 com correção sobre a parceria entre o Visa e a Revolut.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)