Rádio Observador

Tabaco

GNR detém 13 pessoas em operação de combate à produção ilegal de tabaco em Loulé

Entre os detidos contabilizam-se 12 homens e uma mulher, com idades entre os 30 e os 65 anos, de nacionalidade polaca, ucraniana, romena, russa e portuguesa. Foram constituídos dois arguidos.

Tabaco apreendido era suficiente para introduzir no mercado cerca de 46 milhões de cigarros

PAULO NOVAIS/LUSA

Treze pessoas foram detidas na terça-feira na zona de Loulé, distrito de Faro, no âmbito da Operação “DYNAMO”, de combate à comercialização ilegal de tabaco, tendo sido apreendidos 15 milhões de cigarros, anunciou hoje a GNR.

Em comunicado, a GNR adianta ter desencadeado na terça-feira, através do destacamento de Ação Fiscal de Faro, na zona de Loulé, uma operação policial na qual foram detidas 13 pessoas, 12 homens e uma mulher, com idades entre os 30 e os 65 anos, de nacionalidade polaca, ucraniana, romena, russa e portuguesa.

Na operação foi apreendido, segundo a GNR, tabaco suficiente para introduzir no consumo cerca de 46 milhões de cigarros.

A investigação à “organização criminosa internacional que se dedicava à produção e comercialização fraudulenta de tabaco” decorria há ano e meio e levou ao desmantelamento de uma fábrica ilegal de manufaturação de cigarros em larga escala.

Na terça-feira, a GNR deu cumprimento a 14 mandados, dos quais cinco de detenção, sete de busca domiciliária, um de busca à fábrica de manufaturação ilícita de tabaco e um de busca ao armazém utilizado para o depósito da produção ilícita.

A GNR apreendeu cerca de 15 milhões e 600 mil cigarros produzidos na fábrica, cerca de 17 toneladas de folha de tabaco (daria para produzir cerca de 16 milhões e 800 mil cigarros), cerca de 14 toneladas de tabaco triturado (daria para produzir 13 milhões e 750 mil cigarros) e cinco máquinas utilizadas na trituração de folha de tabaco, manufatura e acondicionamento.

Os militares apreenderam ainda matérias-primas diversas utilizadas na produção ilícita, como filtros, colas, boquilhas, tubos para cigarros, cartão de maços, celofane, papel de tabaco e caixas para embalar tabaco, seis viaturas ligeiras e uma arma de fogo.

“Estima-se que a fraude e evasão fiscal, gerada pela produção e comercialização do tabaco produzido na referida fábrica, que tinha como destino o território nacional e países da União Europeia, seja de montante superior a 9 milhões e 600 mil euros”, destaca a GNR.

A operação, que a GNR diz ser inédita em Portugal, culminou com o desmantelamento da primeira infraestrutura de produção massificada de cigarros em Portugal e contou com o apoio da EUROPOL e com a colaboração da Polish Border Guard e da Polish Police.

A operação “DYNAMO” envolveu 100 militares, da Unidade de Ação Fiscal, da Unidade de Intervenção e dos Comandos Territoriais de Beja, Évora, Faro, Portalegre e Santarém.

A GNR adianta ainda que foram constituídos dois arguidos de nacionalidade grega, com 37 e 60 anos, suspeitos de integrarem este grupo criminoso. Um dos detidos tinha um alerta internacional para efeitos de detenção e entrega ou extradição, através do sistema Schengen.

Os detidos serão presentes hoje ao Tribunal de Faro, para 1.º interrogatório judicial e para aplicação de medidas de coação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)