Rádio Observador

Cabo Verde

Governo de Cabo Verde quer investimento científico para sustentabilidade da Cidade Velha

Em relação ao futuro, Abraão Vicente notou a necessidade de um equilíbrio entre a proteção e conservação dos valores históricos com as aspirações e necessidades do desenvolvimento local sustentável.

Cidade Velha foi a primeira cidade construída pelos europeus, tornando-se na primeira capital do arquipélago

O governo cabo-verdiano considerou que a sustentabilidade do título da Cidade Velha como Património Mundial, que esta quarta-feira completou 10 anos, passará pela sua preservação e valorização, mas também por um investimento científico a nível histórico, urbanístico e paisagístico.

Numa mensagem alusiva ao 10.º aniversário da elevação da Cidade Velha a Património Mundial da Humanidade, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, disse que o desafio da preservação do sítio não deve ser só do Estado, mas também de todos os cabo-verdianos.

Conservar a nossa memória histórica e patrimonial, os desafios e tudo o que os nossos antepassados viveram e conseguiram guardar, uma missão de todos”, pediu o ministro, que é também presidente da comissão nacional da Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura (UNESCO, sigla em inglês).

Para o titular da pasta da Cultura cabo-verdiana, a valorização do sítio histórico é um “desígnio nacional e um compromisso incontornável para as gerações futuras”.

Em relação ao futuro, Abraão Vicente notou a necessidade de um equilíbrio entre a proteção e conservação dos valores históricos com as aspirações e necessidades do desenvolvimento local sustentável.

Além destes aspetos, o ministro considerou que a sustentabilidade do sítio passará ainda por um “investimento científico” a nível histórico, urbanístico e paisagístico.

É sem dúvida que o vasto património arqueológico seiscentista da Cidade Velha reclama por uma atenção especial, numa perspetiva científica e turística, funcionando como um atrativo singular e diferenciador”, mostrou Abração Vicente na sua mensagem.

Relativamente à gestão do Património, o governante afirmou que requer uma “visão alargada”, numa perspetiva interssetorial, com responsabilidades compartilhadas a vários níveis, incluindo os poderes públicos – local e central – a sociedade civil, entidades não estatais e a comunidade local.

Tendo em conta a procura de visitantes e o interesse crescente de investidores, Abraão Vicente salientou que Cidade Velha é autossuficiente.

Na mensagem, o ministro da Cultura enumerou ainda vários projetos estruturantes na Cidade Velha, com destaque para a reabilitação da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, um projeto financiado pelo Governo de Cabo Verde em 50 milhões de escudos (453 mil euros) e pela cooperação portuguesa em cinco milhões de escudos (45 mil euros).

Em parceria com a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, o ministro apontou ainda projetos ao nível da reabilitação e requalificação urbana, reabilitação de casas, criação do plano de salvaguarda e uma gestão equilibrada e tripartida dos recursos patrimoniais.

Seguindo as recomendações da UNESCO, Abraão notou ainda que o governo descentralizou a gestão do sítio, possibilitando à Câmara Municipal a participação direta no circuito turístico, que antes estava a cargo de uma empresa privada.

Cidade Velha foi a primeira cidade construída pelos europeus, tornando-se na primeira capital do arquipélago, título que manteve até 1770, quando a capital do país passou a ser a Praia de Santa Maria, atual cidade da Praia.

O sítio histórico foi erigido no século XV para servir de ponto de abastecimento para o comércio de escravos entre África e América e em 2009 foi classificada como Património Mundial.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)