Rádio Observador

Governo

Portugal é o 3º país do mundo que menos se sente representado pelo seu Governo

390

Um estudo alemão -- o maior de sempre, dizem os seus organizadores -- mostra que "as democracias estão a perder os corações e as cabeças dos seus cidadãos".

MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal é o terceiro país do mundo que menos se sente representado pelo seu Governo e onde os cidadãos menos sentem que a sua opinião é tida em conta nos desígnios políticos do seu país. Esta conclusão, retirada de um estudo da Fundação Aliança de Democracias (Rasmussen Global) e do centro de sondagens alemão Dalia Research, foi divulgada pelo jornal Público e nasce de uma análise feita em 50 países do mundo intitulada de Índex de Perceções Democráticas 2018.

De acordo com o estudo — que se auto intitula como o maior alguma vez feito sobre a confiança nos governos –, “as democracias estão a perder os corações e as cabeças dos seus cidadãos”, alegando ainda que “a maioria das pessoas que vive em democracias está desiludida com a ideia de que o seu Governo é formado pelo povo e trabalha para o povo”. No total foram ouvidas 125 mil pessoas oriundas de país democráticos e não democráticos, amostra que representa 75% da população (e economia) mundial.

Nico Jaspers, o diretor executivo da Dalia Research, afirma que “neste momento, o maior risco para as democracias é que o público não as considera mais democráticas.” Uma afirmação que é sustentada com o facto de 64% dos inquiridos estarem insatisfeitos com a democracia por sentirem que o seu Governo “raramente” ou “nunca” age de acordo com o interesse público.

“Os cidadãos sentem que o seu Governo age em representação do interesse público?” “Consideram que a sua voz conta em política?” São estas as duas principais perguntas analisadas por este estudo e que revelaram factos interessantes como o de que as pessoas que vivem em regimes não-democráticos são aquelas que mais consideram que os seus governos agem em função do seu interesse (41% face aos 64% de insatisfação nas democracias), por exemplo.

O país onde o índice de insatisfação na representação política é mais baixo é na Arábia Saudita, onde apenas 15% das pessoas pensa que o seu Governo “nunca” ou “raramente” age no seu interesse.

O país que lidera esta listagem é o Quénia (não é democrático), que tem 80% de respostas nesse sentido, mais 12% que o segundo classificado, a Nigéria, que surge com 68% de insatisfação na representação. Curiosamente, a maioria das nações mais insatisfeitas vive em democracia: 71% dos inquiridos em Portugal considera que o Governo nunca ou raramente age em função dos interesses das pessoas, enquanto na mesma categoria registaram-se valores de 73% na Áustria, 70% na Suécia, 68% na Polónia, 69% na Dinamarca e 67% na Bélgica, Japão, Irlanda, Itália e Canadá.

Já nas respostas à questão “Considera que a sua voz conta em política”, quem lidera é o Japão, com 74% da sua população a responder que “não”, segue-se a Polónia com 63%, e Portugal/França/Áustria com 62%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)