Rádio Observador

Transportes Públicos

Rui Moreira quer retirar à AMP competências sobre Sociedade de Transportes Coletivos do Porto

O presidente da Câmara Municipal do Porto disse que "canibalização" da zona exclusiva da STCP vai representar uma "incapacidade" de a cidade conseguir "aumentar a oferta" da sua rede de transportes.

Rui Moreira afirmou sentir-se o único que nas reuniões da comissão da AMP "representa" a operadora pública

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Câmara Municipal do Porto afirmou esta terça-feira que é intenção do executivo “retirar definitivamente” à Área Metropolitana do Porto as competências de monitorização que exerce sobre a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP).

“Tudo temos feito. Só que infelizmente nós não temos competência nesta matéria, a não ser que vossas excelências nos acompanhem, porque ou esta matéria é resolvida ou nós gostaríamos de retirar, não de suspender, mas de retirar definitivamente à Área Metropolitana do Porto (AMP) as competências nesta matéria“, afirmou Rui Moreira durante a sessão ordinária da Assembleia Municipal do Porto.

O autarca, que respondia às questões colocadas pelo deputado da Coligação Democrática Unitária (CDU), Rui Sá, sobre a violação por parte dos operadores privados da zona exclusiva da STCP, salientou ainda que a “canibalização” da zona exclusiva da STCP representa, futuramente, uma “incapacidade” de a cidade conseguir “aumentar a oferta” da sua rede de transportes.

“Da minha parte, é claro, eu defendo o modelo da STCP. Se for preciso ir buscar meios, vamos fazer contratados pela STCP, através de contratos públicos, através da contratação pública por operador interno porque precisamos de aumentar a capacidade”, frisou.

Rui Moreira, que durante a sessão foi questionado pelo deputado comunista sobre o “papel” do Conselho de Administração da STCP e sobre as seis autarquias que têm responsabilidade sobre a operadora de transportes (Gaia, Matosinhos, Valongo, Maia, Gondomar e Porto), afirmou sentir-se o único que nas reuniões da comissão da AMP “representa” a operadora pública.

“Não nos enganemos, nesta matéria, e, por muito boas relações que tenhamos com os municípios vizinhos, que temos e queremos ter, os municípios vizinhos, mesmo os que participam na gestão da STCP, porque lá a STCP opera, têm apesar de tudo, uma realidade diferente. É que para eles a STCP é um dos operadores do seu serviço de transporte, sendo que resto é concessionário. Para nós, no Porto, para o bem que é muito e para mal que é algum, só temos a STCP e não queremos, nem temos mais nenhum”, disse.

Durante a sessão, o autarca aproveitou ainda para ler aos deputados da Assembleia Municipal uma carta do presidente do Conselho de Administração da STCP dirigida à comissão da AMP, ao gabinete do secretário de Estado adjunto da mobilidade, ao gabinete do secretário de Estado do tesouro e à UTS – Viagens e Serviços.

“A referida prática tem como consequência direta a existência de uma perda de receita por parte da STCP. Receita essa que na sua totalidade não é possível estimar, a violação do direito exclusivo acontece de forma aparentemente continuada. A STCP entendeu neste contexto enviar uma carta à AMP em abril de 2018 na qual expunha as suspeitas das práticas ilícitas procedidas pelos operadores privados e de forma bastante circunstanciada“, afirma o presidente do conselho de administração da STCP no documento citado pelo autarca.

Segundo o documento, a operadora de transportes não obteve “qualquer resposta por parte da AMP”, e, de acordo com “informação disponibilizada pela Câmara Municipal do Porto”, o total da receita obtida pelos operadores privados nas zonas C1, C2 e C6 ascende a “497.581 mil euros”.

“Poderá a STCP exigir, quer aos operadores privados, quer à AMP, um ressarcimento dos danos verificados em anos passados, em valor próximo de receita apropriada da zona exclusiva”, afirma-se o documento, acrescentando que “o conselho de administração da STCP não pode naturalmente de deixar de convocar os atos necessários à reposição da rede da receita que lhe tem vindo a ser subtraída”.

“Em qualquer caso, entenda-se que deve ser dada prevalência a uma solução consensual. Nesta medida entende o conselho de administração da STCP solicitar à AMP uma reunião”, conclui o presidente do conselho de administração da STCP na carta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transportes Públicos

A CP e a Festa dos Tabuleiros

João José Brandão Ferreira

Já alguém fez contas a quanto as Finanças deixariam de arrecadar em impostos nos combustíveis se a maior parte dos portugueses deixasse o carro para andar encaixotada nos transportes públicos?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)