Rádio Observador

Land Rover

Se o Velar é lindo, espere até ver a versão da SVO

O Range Rover Velar é o SUV mais elegante do mercado. É exímio no TT e tem na estética o seu maior trunfo. Mas a versão SVAutobiography Dynamic, com 550 cv, eleva o Range Rover para outro patamar.

E quando parecia que seria impossível melhorar um SUV como o Velar, eis que a Range Rover recorreu à Special Vehicles Operations (SVO), departamento do grupo Jaguar Land Rover especializado em produzir veículos sobre encomenda, bem como execuções especiais, para o tornar numa proposta do outro mundo. A SVO é uma espécie de um “cantinho dos artistas”, à semelhança da AMG para a Mercedes, só que não se limita apenas a versões mais potentes e desportivas, concebendo igualmente versões em que o luxo é a palavra-chave.

O novo Velar SVAutobiography Dynamic assume-se como o mais recente veículo da SVO, divisão que já tinha concebido o Jaguar XE SV Project 8, a berlina desportiva mais rápida do mundo, com o recorde na pista alemã de Nürburgring. Mas para o Velar a SVO não pretendeu produzir uma versão para brilhar apenas em asfalto e idealmente em pista, visando manter intactas as características que permitem a este Range Rover ser dos mais respeitados SUV a circular fora de estrada, para agradar a aventureiros e caçadores, mas simultaneamente torná-lo dos mais rápidos (e divertidos) em estrada.

Na SVO só se mexe onde é necessário

O trabalho de Gerry McGovern, o responsável pelo design de todos os veículos da Land Rover, é de tal forma respeitado que não havia muito a fazer para melhorar o Velar. Ainda assim, para o optimizar, tornando-o mais desportivo e reforçando-lhe a personalidade, para ir ao encontro de um cliente (ainda) mais exigente, os estilistas da SVO apostaram em mexer apenas onde era necessário.

A pintura mate faz sobressair as formas do SUV – estando disponível em cores específicas como a Satin Byron Blue, mas igualmente em Corris Grey, Santorini Black, Firenze Red, Fugi White e Indus Silver –, mas são as aplicações na zona inferior da carroçaria que o fazem parecer mais musculado, para o que também contribui uma menor altura ao solo. O para-choques frontal é distinto, com entradas de ar mais generosas para refrigerar a mecânica, substancialmente mais potente, mas igualmente para lhe conferir maior agressividade. Mas nem tudo é apenas uma questão de estilo, uma vez que sob o para-choques surge um lábio destinado a colar a frente ao solo a alta velocidade, importante num SUV que ultrapassa 270 km/h.

Na traseira também há diferenças, com os designers da casa a conceberem um para-choques capaz de alojar as quatro saídas de escape, que estão em posição tão baixa quanto possível de forma a não beliscar o ângulo de saída dos obstáculos em TT, da mesma forma como o lábio frontal foi “esticado”, mas sem limitar o ângulo de ataque. Também a necessitade de manter os sensores de estacionamento à altura necessária mexeu com a colocação dos escapes, com a SVO a determinar que se a estética é prioritária, não deve ultrapassar a função. As belas jantes forjadas, para serem mais resistentes e leves, com 21 e 22 polegadas, contribuem igualmente para a elegância do modelo.

Por dentro há menos alterações, dado que não era fácil melhorar o Velar. Isto não impediu o recurso a peles Windsor de ainda melhor quantidade para revestir bancos, tablier e painéis de portas. Há quatro cores disponíveis para o habitáculo (Ebony, Vintage Tan, Cyrrus e Pimento), podendo ser montadas molduras em fibra de carbono ou em aço – nada de plásticos –, para adequar o Velar ao gosto de cada um.

Na mecânica é que está o segredo

O objectivo do Velar SVAutobiography Dynamic é superar os super SUV do mercado, do Alfa Romeo Stelvio Quadrifoglio (510 cv) ao Porsche Cayenne Turbo (550 cv), passando pelo BMW X5 M50 (530 cv) e Mercedes-AMG GLE 53 (435 cv). Daí que recorra ao motor 5.0 V8 soprado não por um turbocompressor, mas sim por um compressor volumétrico, que anula o atraso na resposta do turbo e faz maravilhas ao “cantar” da mecânica, não interrompendo a linha de escape.

O V8 é o mesmo a que recorre o Jaguar F-Pace SVR, fornecendo 550 cv, sendo que esta unidade é capaz de atingir 575 cv, como acontece no Range Rover Sport SVR, com a marca britânica a pretender aqui respeitar (e arrumar) os diferentes elementos da gama. Mas com a capacidade de atingir 100 km/h em apenas 4,5 segundos e uma velocidade máxima de 274 km/h, não é fácil acusar o Velar SVAutobiography Dynamic de falta de dinamismo.

Além de montar um motor mais potente no Velar, a SVO introduziu também importantes alterações no chassi, para o tornar mais eficaz. Assim, as suspensões pneumáticas reguláveis são agora mais rijas, montando barras estabilizadoras mais grossas e travões de maior diâmetro à frente (395 mm de diâmetro) e atrás (396 mm), mas maxilas dianteiras mais generosas e outra coisa não seria de esperar quando é necessário parar na mínima distância um modelo com 2.160 kg a viajar a 274 km/h.

Para que o comportamento se tornasse mais eficaz e divertido, a distribuição da força do motor entre o eixo dianteiro e o traseiro foi modificada, com o Velar depois de receber a atenção dos técnicos da SVO a colocar 60% da potência atrás e apenas 40% à frente. Como se isto não bastasse, o diferencial traseiro, o e-Diff, pode colocar entre 50% e 100% da potência em cada uma das rodas posteriores, em busca de mais tracção ou para modular o comportamento.

Como é ao volante?

Começámos por conduzir o Velar SVAutobiography Dynamic nos arredores de Barcelona, onde foi tão fácil apercebermo-nos que o conforto de rolamento não foi beliscado, como apreciar o maior requinte interior desta versão SVO do SUV britânico. Se o design do Velar já impressiona, este eleva ainda mais a fasquia.

À medida que nos aproximávamos dos Pirenéus, as curvas levaram-nos a adoptar uma condução mais desportiva, o que fez sobressair o roncar do V8, mas igualmente a facilidade com que o Velar devora as rectas. A capacidade de travagem é tão impressionante quanto a de aceleração, com as suspensões pneumáticas, especialmente se adoptarmos o modo de condução mais desportivo, a garantirem que o Range Rover é capaz de curvar muito depressa e praticamente sem se inclinar, como se tratasse de um superdesportivo. É claro que se sente o peso, mas muito menos do que seria de pressupor, num veículo deste tipo.

Depois do asfalto veio a terra, para vermos até que ponto o carácter mais desportivo do tratamento da SVO tinha limitado a capacidade deste Velar encaixar alguns maus tratos. Em estradões de terra, o conforto é total e a poeira (em muita quantidade) fica lá fora. Mas o percurso que o construtor inglês tinha preparado incluía umas descidas de arrepiar e umas subidas nada recomendáveis, especialmente porque sabíamos que tínhamos montados no “nosso” Velar uns pneus de estrada numas imensas jantes de 22”. Engolindo em seco aqui ou ali e prometendo a nós próprios que, em caso de furo, só parávamos no restaurante, o Velar SVAutobiography Dynamic lidou com todas as adversidades sem pestanejar. Já nós…

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)