Em Ciudad Juárez, as tropas da Guarda Nacional mexicana impedem migrantes provenientes da Nicarágua de passarem para os Estados Unidos. Apesar de o momento ter sido captado no dia 21 de junho, a fotografia está agora a alimentar a polémica que já tinha sido potenciada com uma outra imagem, ainda mais dramática, de um pai e uma filha que morreram abraçados a atravessar o rio.

O pano de fundo é o mesmo rio Grande, no México, um dos canais da imigração clandestina para os EUA. Primeiro, foi a fotografia de dois corpos — pai e filha, provenientes do Equador, afogados, de cara para baixo. Agora, uma mãe e a filha tentam escapar das tropas mexicanas.

A foto do pai e da filha que mostra o drama da crise migratória na fronteira do México

Apesar de ter sido captada no dia 21, esta última fotografia, tirada por Hérika Martínez para a Agência France-Presse, foi ganhando força nas redes sociais ao longo das últimas horas, de acordo com a CNN. Jornalista em Ciudad Juárez há mais de uma década, Herika Martínez diz à CNN que as movimentações na fronteira da cidade são hoje bem visíveis.

A estação dá conta ainda das discussões sobre a fotografia nos programas das televisões americanas e refere como o Presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, foi interrogado durante o briefing diário sobre a atuação das tropas.

Há algumas semanas, depois de Donald Trump ter ameaçado o México com taxas alfandegárias, o governo mexicano cedeu e acabou por reforçar o controlo das fronteiras. Na passada segunda-feira, anunciou mais 15 mil tropas na fronteira com os EUA.