Rádio Observador

Genética

Patrick Burleigh nasceu com uma condição rara. Foi um adolescente preso no corpo de uma criança

Atingiu a puberdade aos 2 anos. Em criança, foi expulso da escola e esteve preso. Hoje é escritor. O bisavô foi para a II Guerra aos 13 anos, o avô para guarda aos 12. Tudo por causa da testotoxicose.

IMDB

Patrick Burleigh nasceu com uma rara mutação genética hereditária chamada testotoxicose, ou puberdade precoce. Aos três anos, já tinha os níveis de testosterona de um adolescente. Tem hoje 34 anos, tornou-se escritor e ator, é casado e pai de um rapaz. Sim, é uma história de sucesso. Mas, até chegar aqui, o norte-americano sofreu preconceitos, foi expulso da escola, consumiu drogas e até esteve preso.

A história é contada pelo portal brasileiro G1. O número exato de pessoas afetadas pela condição de Burleigh é desconhecido, mas refere o mesmo órgão de comunicação social que são apenas cerca de mil em todo o mundo. Patrick herdou a condição do pai. Também o avô e bisavô sofreram de puberdade precoce.

“Não me encaixava na escola e no mundo em geral. Isso marcou a minha infância desde muito cedo”, conta Patrick Burleigh. Aos dois anos, tinha já pelos púbicos e em criança parecia um adolescente.

Apesar de ser uma criança, Patrick Burleigh (ao centro) pareceu sempre bastante mais velho durante a infância

Burleigh foi uma das primeiras crianças de sempre a receber tratamento para a testoxicose. O processo foi longo e o rapaz tinha de tomar todos os dias vários comprimidos e injeções.

Durante o ensino básico, foi sempre uma criança problemática. “Comecei a fumar aos 9 anos, a fazer graffitis, a fumar marijuana. Tornou-se uma bola de neve”, conta. Era agressivo e comportava-se como uma criança e um adolescente ao mesmo tempo. Foram várias as brigas em que se envolveu na escola.

Ainda durante a pre-adolescência, envolveu-se com uma rapariga com ligação a drogas e consumiu LSD. Na escola, fez uma colega consumir o mesmo alucinogénio e foi preso. Foi expulso da escola e proibido de estudar em qualquer outra instituição da região. Os pais mandaram-no então para uma escola militar a milhares de quilómetros de distância de casa. Também foi expulso deste estabelecimento.

Aos 14 anos, Patrick mudou-se novamente para uma escola perto de casa e começou a sentir-se mais confortável. Dedicou-se então aos estudos e ao desporto e decidiu ir para a faculdade.

Deixei de me destacar. Isso, e também o facto de as minhas hormonas terem estabilizado e finalmente começar a ter a aparência certa para a minha idade, fez-me perceber que não queria mais levar aquela vida, que não era feliz assim. De certa forma, passei a lidar com o meu trauma e vergonha”, relembra o agora escritor e ator.

“Criei uma nova identidade para mim”, acrescenta Patrick Burleigh. Depois dos estudos, escolheu o caminho da escrita. E foi nos livros que encontrou refúgio, mas também uma forma de falar sobre o passado — e aceitá-lo. “Fiquei surpreendido. As pessoas reagiam com compaixão, demonstravam interesse e foi uma catarse falar sobre o assunto. Foi como um processo de cura. Foi bom parar de me esconder”, revela. Participou também em filmes como “Ping-Pong Diplomacy” e “Homem-formiga e a Vespa”.

Patrick descobriu entretanto que o bisavô — que sofreu da mesma mutação — esteve na II Guerra Mundial com apenas 13 anos. Disse que tinha 20 anos e foi aceite no exército. Também o avô do escritor se fez passar por mais velho e entrou para a guarda fronteiriça do Canadá com apenas 12 anos. Já o filho de Burleigh, agora com quatro anos, não herdou a testotoxicose.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)