Rádio Observador

PSD

Rui Rio responde ao falhanço das negociações da lei de bases da Saúde e atira ao PS: “O PSD não está aqui para ser muleta”

158

O líder do PSD reagiu esta tarde ao fim das negociações com o PS sobre a lei de bases da Saúde e atacou forte os socialistas. Prefere que a lei fique como está e avisa: "Não somos muleta".

FERNANDO VELUDO/LUSA

O PSD devolve as acusações ao PS e culpa os socialistas pelo fim das negociações em torno da nova lei de bases da Saúde. O presidente social-democrata reagiu esta sexta-feira às declarações da deputada socialista Jamila Madeira, que considerou que o PSD pediu para rever a lei em temas que iam obrigar a “reabrir o debate para deixar o atual em vigor”. Uma acusação que Rui Rio não aceita. “Aquilo a que assistimos foi o PS a dizer que estamos a exigir demais. Exigimos, além da questão das PPP, que se reabrisse a discussão em duas áreas. Duas áreas apenas, num texto longuíssimo. Só se pode concluir uma de duas coisas: ou o PS nunca esteve de boa fé nas negociações ou se esteve achava que o PSD está aqui para ser muleta de geringonça”, considerou, enquanto encolhia os ombros. “Mas o PSD não está aqui para ser muleta“.

Rui Rio surgiu na sede nacional do PSD ao ataque e com um alvo bem definido. “Como o PS não conseguiu entendimento com o BE e com o PCP veio pedir ajuda ao PSD para aprovar a lei de bases. O PSD não existe para ajudar o Governo mas para pôr Portugal em primeiro lugar. Cumpria-nos estar disponíveis para melhorar a lei de bases”, adiantou, revelando que partiu “de boa-fé para esta negociação”. Mas rapidamente percebeu que ia ser difícil chegar a um entendimento com os socialistas. “Não fazemos fretes políticos a ninguém”.

Questionado sobre qual seria o sentido de voto do seu partido na Comissão de Saúde, Rui Rio foi claro: “A nossa orientação não pode ser outra [que não o voto contra]“. O líder do PSD apareceu para carregar nas tintas e atacar forte o PS, deixando uma provocação. “Está é uma vitória da ala radical de esquerda do PS sobre a área moderada do PS”, afirmou . E disse mais: “Este PS está cada vez mais encostado ao PCP e ao BE, não tem capacidade de dialogo ao centro”.

Garante que não se sente “usado pelo PS” até porque, assegura, “o PSD esteve sempre a negociar com uma prioridade na cabeça: o interesse público“. Eram apenas duas as áreas em que queriam fazer mudanças, embora reconheça que há alterações a fazer em vários pontos do texto mas apenas para lhe dar alguma “coerência”.

Algo que contraria a versão do PS, que acusa o PSD de dizer que apenas queria mexer em duas áreas além das PPP ao mesmo tempo que apresentava alterações em 22 das 28 bases. Alterações apenas formais e não de conteúdo, diz o PSD. “Reabertura de todo o processo negocial”, acusam os socialistas. Resultado: não haverá lei de bases ao centro.

No entanto, isto não afeta a posição de Rui Rio perante o PS. Mesmo que desconfie dos socialistas estará sempre aberto ao diálogo desde que seja feito “em nome do interesse dos portugueses”.

No fim, lembrou que é o PS — e a esquerda — que sai derrotado desta negociação, já que, no entender de Rui Rio, “é preferível que a lei de bases fique como está, o que também não é dramático, do que uma nova lei de bases à esquerda”, concluiu.

Na semana passada, terminou o processo de votação no grupo de trabalho que prepara a nova lei de bases da saúde. O texto que resultou dessas votações seguiu para confirmação na comissão parlamentar de saúde sem referências às parcerias-públicos privadas. A proposta do Governo e as propostas de alteração dos partidos sobre o ponto 3 da polémica base 18 foram todas chumbadas nessa votação.

Tendo tentado — e falhado — fechar esse dossier à esquerda antes das votações, o PS virou-se para o PSD para tentar um acordo que permitisse a aprovação em votação da nova lei-quadro para a Saúde.

Os sociais-democratas mostraram-se disponíveis para negociar e chegaram a pedir ao PS para ceder em três matérias concretas: nas bases sobre a saúde pública e bem estar, nos direitos dos cidadão e ainda na famosa base relativa à gestão dos hospitais — em que o PSD, tal como o PS, quer manter a possibilidade de abrir essa gestão aos privados, coisa que BE e PCP contestam. Ao início desta o PS deu resposta à proposta de negociação do PSD, considerando que é demasiado alargada e recusando reabrir o debate da lei de bases.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)