Rádio Observador

MotoGP

Miguel Oliveira foi 13.º na Holanda, voltou a conquistar pontos e teve o “final feliz” depois da penalização

626

Miguel Oliveira foi penalizado na qualificação do GP da Holanda mas mostrou-se otimista em relação a um "final feliz". E tinha razão: foi 13.º e conquistou pontos pela quinta vez no Mundial.

O piloto português registou o 17.º melhor tempo da qualificação mas foi penalizado em três posições

Getty Images

A aparatosa queda de Jorge Lorenzo logo na primeira sessão de treinos do Grande Prémio da Holanda de Moto GP marcou a antecipação da oitava ronda do Mundial. O piloto espanhol fraturou uma vértebra dorsal, foi assistido num hospital holandês e vai falhar as próximas duas etapas do Campeonato do Mundo — a deste domingo, na Holanda, e a seguinte, na Alemanha.

Com Lorenzo fora das contas, a nova surpresa apareceu com Marc Márquez que — pela primeira vez desde que o Mundial começou — não conseguiu qualificar-se para a primeira linha da grelha de partida. O espanhol fez o quarto melhor tempo, atrás de Álex Rins, Maverick Viñales e Fabio Quartararo, que se tornou o piloto mais novo de sempre a conquistar duas pole-positions consecutivas (o anterior recorde pertencia precisamente a Márquez, que alcançou esse feito em 2013).

Já Miguel Oliveira realizou um início de qualificação promissor, conseguindo ser o sétimo mais rápido entre os 11 pilotos que completaram a primeira ronda, e terminou com o 17.º melhor tempo do pelotão, garantindo um lugar na penúltima linha da grelha. Contudo, o piloto natural de Almada foi penalizado em três posições por ter conduzido “de forma irresponsável”, já que o Colégio de Comissários do GP da Holanda considerou que seguiu “de forma lenta na linha de trajetória, prejudicando outro concorrente que seguia numa possível volta lançada”, e acabou por cair para o 20.º lugar do grid, o penúltimo do contingente.

Ainda assim, Oliveira tinha expectativas altas para a corrida deste domingo e mostrou isso mesmo nas redes sociais. Já depois de referir que estava “confiante” de que teria “um final feliz” apesar da penalização, o piloto português repetiu que estava “otimista” para o Grande Prémio da Holanda. No arranque, lá mais à frente, Rins conseguiu agarrar a liderança nas primeiras voltas mas caiu numa fase ainda inicial da corrida, deixando o primeiro lugar à mercê do rookie Quartararo, que era seguido de perto por Márquez. Lá atrás, Miguel Oliveira ia conquistando posições para se aproximar dos pontos, beneficiando não só do bom ritmo que conseguia impôr na KTM Tech 3 como também das quedas ao longo do pelotão (depois de Rins, também Rossi e Nakagami saíram de pista).

A luta pela liderança ficou reduzida a um grupo de três pilotos, entre Quartararo, Márquez e Viñales, com Dovizioso a não conseguir aproximar-se do ritmo dos três da frente. Com vários erros dos três candidatos à vitória — entre as dificuldades de Quartararo em segurar a Yamaha e as curvas demasiado largas dos outros dois pilotos –, acabou por ser Maverick Viñales a garantir a vitória no GP de Holanda, seguido por Márquez em segundo e o rookie francês a fechar o pódio.

Miguel Oliveira deixou para trás Karel Abraham e entrou diretamente nos pontos, numa corrida de escalada pela classificação que, tal como o português havia dito, acabou por ter um final feliz. O piloto da KTM Tech 3 terminou a corrida em 13.º — à frente de Francesco Bagnaia e Hafizh Syahrin — e conquistou três pontos na Holanda, pontuando pela quinta vez desde o início do Mundial. Miguel Oliveira é atualmente 17.º na classificação geral liderada por Marc Márquez, com 15 pontos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)