Rádio Observador

Tesla

Tesla já produz novas baterias. Mas em segredo…

A Tesla adquiriu a Maxwell, especialista em ultracondensadores, e começou de imediato a trabalhar em novas baterias, que prometem ter mais capacidade, maior duração e menores custos.

Na indústria automóvel, a tradição manda que os construtores dependam tão pouco de fornecedores quanto possível. As peças produzidas fora podem ter custos unitários mais elevados, mas exigem investimentos iniciais muito menores, o que acaba por ser uma vantagem, pelo menos em algumas condições. A Tesla, como é seu hábito, apostou numa estratégia distinta, concentrando em si tudo o que considera importante, seja em termos de margens de lucro ou de independência tecnológica. É por isso que constrói os seus próprios bancos, chips, software, motores e baterias.

Os acumuladores que alimentam os três modelos da marca – bem como as baterias estacionárias tipo Powerwalls ou Powerpacks – têm até aqui sido desenvolvidos em conjunto com um parceiro técnico, os japoneses da Panasonic. O tipo de célula em causa são as cilíndricas 18650 e 21700 (exclusivas para o Model 3, de momento), todas elas com uma química NCA, de níquel-cobalto-alumínio, ao que se julga saber com uma relação 80%, 5% e 15%.

Porém, a Tesla comprou o melhor fabricante de ultracondensadores do mercado em Maio, a Maxwell, cuja tecnologia pode – e tudo indica que vai – ser utilizada para produzir um novo tipo de acumuladores mais eficientes, com maior densidade energética, mais baratas e com um maior número de ciclos, o que significa mais tempo de vida útil. E estas baterias já estão a ser produzidas e testadas numas instalações que a Tesla mantém secretas, segundo alguns ex-empregados.

O espaço em causa fica próximo da fábrica da Tesla em Freemont, na Califórnia, mais precisamente na Kato Road, um pequeno laboratório onde apenas um reduzido número de técnicos tem acesso e onde são desenvolvidas e testadas soluções que querem manter afastadas da imprensa e, sobretudo, dos concorrentes. Se juntarmos a tudo isto o facto de a Tesla ter reforçado os seus quadros com engenheiros ligados à concepção, equipamento e produção de células para baterias, é fácil imaginar o que vem aí – e que não passa pela Panasonic, nem pelo tipo de baterias actualmente a serem montadas nos modelos da marca.

A relação entre a Tesla e a Panasonic tem passado por um período menos bom, isto depois de o fabricante norte-americano ter permitido aos japoneses tornarem-se no maior produtor de baterias de iões de lítio para veículos eléctricos. Contudo, a necessidade de entrar no mercado chinês levou a Tesla a contratar um parceiro asiático para a sua Gigafactory 3, em Xangai (onde vai começar a fabricar em 2020 o Model 3 e o Model Y). Isto levou a Panasonic a anunciar um segundo “casamento” com a igualmente japonesa Toyota, em Janeiro, isto após a Tesla se queixar de falta de baterias para fabricar nos EUA os modelos que necessita, dado que a linha de produção foi concebida para 35 GWh/ano e tem dificuldades em ultrapassar os actuais 24 GWh.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)