Rádio Observador

Língua

Governo francês recua sobre ensino de português

O Governo francês recuou na medida de retirar completamente o português como prova para terminar o ensino secundário, criando um projeto-piloto na Guiana francesa e em Paris.

Tema já tinha sido discutido por António Costa e por Emmanuel Macron, aquando da visita do chefe de Governo português a Paris

LUSA

O Governo francês recuou na retirada do português como prova final para terminar o secundário, abrindo essa possibilidade na Guiana Francesa e na região de Paris como experiência, anunciou o embaixador de Portugal em França esta segunda-feira.

Jorge Torres Pereira referiu que o Governo francês recuou na medida de retirar completamente o português como prova para terminar o ensino secundário, criando um projeto-piloto na Guiana francesa – que faz fronteira com o Brasil – e na região de Paris, onde a língua ainda vai contar para terminar o ensino secundário.

“Uma campanha de diligências várias […] desencadeou este processo de resposta por parte do lado francês que significa que, com carácter de experimentação, na Guiana francesa e na região de Paris, o português é também uma língua de especialidade para este ano letivo que começa em setembro”, disse o diplomata em declarações ao jornalista na embaixada.

Uma recente reforma introduzida pelo atual Governo francês fez com que o português deixasse de contar para os exames nacionais – que em França se chama ‘baccalauréat’ ou apenas ‘bac’ -, passando apenas a contar para a avaliação contínua, tendo menor preponderância na nota final dos alunos, criando assim o receio de um potencial decréscimo de alunos interessados em aprender português.

Como resposta, Portugal mobilizou-se, juntando o apoio dos restantes embaixadores de países lusófonos acreditados em Paris e o tema foi mesmo assunto do jantar entre o primeiro-ministro português, António Costa, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, aquando da visita do chefe de Governo português a Paris, em maio passado.

No entanto, e devido ao caráter experimental desta medida, o embaixador apela agora a que a comunidade portuguesa e também dos outros países lusófonos se mobilize para inscrever os seus filhos nas aulas de português e os jovens no liceu, que vivam especialmente na Guiana francesa e na região de Paris, não só se inscrevam, mas usem também o português como prova específica de acesso à universidade.

Temos de conseguir que haja procura e razão para esta medida […] Temos de lutar para que a experimentação se torne definitiva e a nossa expectativa a prazo é que não seja apenas na academia de Paris, mas extensiva a todo o território”, apelou Jorge Torres Pereira.

O diplomata começou por anunciar este desenvolvimento a várias associações lusófonas envolvidas no processo, recolhendo impressões positivas dos diferentes líderes associativos.

“Ficámos satisfeitos. […] Já houve um recuo por parte do ministro e foi por pressão do senhor embaixador, que mobilizou os outros embaixadores e também pressão política. Também das associações. Só assim é que podemos mobilizar juntos”, afirmou António Oliveira, professor de português no liceu internacional de Noisy-le-Grand e secretário-geral da Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, Africanos e Asiáticos Lusófonos (ADEPBA), em declarações à agência Lusa.

A ADEPBA organizou mesmo uma petição afirmando haver “discriminação” da língua portuguesa face a outras línguas que se mantiveram como provas de acesso como o alemão, o italiano ou o espanhol.

O embaixador anunciou também a criação da Comissão do Acompanhamento do Português em França. Esta nova comissão vai ter como missão a promoção do português em França, não só como língua de imigração, mas como língua de afirmação internacional, nomeadamente no mundo dos negócios, reunindo meios políticos, associações e outras partes interessadas neste processo.

Um momento único, segundo a comunidade. “Em 20 anos, não houve uma reunião tão consequente e tão alargada”, salientou Hermano Sanches Ruivo, presidente da associação Activa.

Esta comissão deverá voltar a reunir-se em setembro, mês em que deverá também haver uma reunião da comissão técnica bilateral entre os dois países para acompanhar as relações entre Portugal e França, prevista para Lisboa. O embaixador convidou também o ministro da Educação francês, Jean-Michel Blanquer, para um encontro com todos os embaixadores lusófonos.

Participam na Comissão do Acompanhamento do Português em França Jorge Torres Pereiral, o cônsul-geral de Portugal, António Moniz, assim como um representante da Embaixada do Brasil.

A nível de associações, participam a Coordenação do Ensino de Português em França, a Câmara do Comércio Luso-Francesa, a ADEPBA, a Coordenação das Colectividades Portuguesas em França, a ACTIVA, a CIVICA, a Casa de Portugal André de Gouveia, a Associação Cultural para os Estudos Portugueses, a Associação dos Diplomados Portugueses em França e a Cap MAgellan.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)