Catorze marinheiros morreram por inalação de fumo na sequência de um incêndio num submarino russo, anunciou esta terça-feira o Ministério da Defesa russo. A notícia foi avançado por várias agências de notícias russas e órgãos internacionais.

O incêndio começou na segunda-feira, quando o submarino estava a fazer testes no fundo do mar, em águas russas.

O fogo deflagrou a bordo de um veículo de investigação científica de grande profundidade que estava a estudar o ambiente marinho em nome da Marinha russa”, explicou o ministério, citado pela Reuters.

O fogo foi depois extinto pela tripulação. “Graças ao sacrifício da equipa, o fogo foi apagado. Neste momento, o veículo está a ser levado para a base naval de Severomorsk”, informou ainda a mesma fonte. Não há informação sobre o modelo do submarino.

Também ainda não é conhecida a causa do incêndio. As autoridades iniciaram uma investigação para apurar os factos. A investigação está a ser liderada pelo comandante-chefe da Marinha russa, Nikolay Efimov.

Em agosto do ano 2000, o submarino nuclear russo Kursk afundou no mar de Barents devido a duas explosões. Na altura, nenhuma das 118 pessoas a bordo sobreviveram. Em 2008, 20 tripulantes do submarino nuclear Nerpa também morreram devido a um acidente com o sistema anti-incêndio do navio.

A Rússia tem desenvolvido, a mando de Vladimir Putin, novos submarinos. O objetivo é melhorar e expandir a defesa do país. O reforço de segurança inclui ainda mísseis e drones navais.

(Artigo atualizado às 17h00)