Rádio Observador

China

Autoridades chinesas instalam aplicação para espionagem nos telemóveis de turistas

211

Uma aplicação está a ser instalada nos Android de visitantes na região de Xinjiang para espionar as informações dos turistas. Os iPhone são ligados a um leitor. Só são devolvidos uma hora depois.

Xinjiang é uma região autónoma no noroeste da China, por onde passava a rota da seda

AFP/Getty Images

As autoridades chinesas estão a instalar aplicações secretas de espionagem nos telemóveis dos turistas que tentem entrar na região de Xinjiang a partir do Quirguistão. Uma investigação do jornal britânico The Guardian e do The New York Times desvendou que os guardas fronteiriços retiram os telemóveis aos visitantes e só os devolvem depois de instalarem uma ferramenta que guarda todas as comunicações — mensagens de texto, chamadas de voz e e-mails — e dados guardados nos arquivos.

Esta aplicação foi criada por uma companhia chinesa e é suportada por telemóveis com o sistema operativo Android. Segundo a notícia avançada pelo The Guardian, assim que começa a correr, a aplicação procura por palavras associadas com extremismo islâmico, a revista “Inspire” da Al-Qaeda e guias de utilização de armas. Depois, busca por literatura e música consideradas nocivas pelas autoridades — como obras de Dalai Laima, músicas da banda japonesa Unholy Grave e o livro de auto-ajuda “The 33 Strategies of War”, de Robert Greene.

Para os telemóveis da Apple, a estratégia é diferente. Em vez de instalarem uma aplicação tal como acontece com os Android, as autoridades chinesas ligam os iPhone a um leitor que armazena os dados guardados no smartphone. Não se sabe para onde é que essas informações são direcionadas nem se, daí para a frente, a aplicação para Androids permite aos guardas localizarem os utilizadores ou continuarem a recolher os seus dados. Mas a investigação apurou que nenhum dos visados autorizou estas ações.

Na maior parte dos casos, após terem recolhido as informações guardadas nos telemóveis, os guardas fronteiriços eliminam a aplicação. Mas o The Guardian chegou à fala com um visitante que, após ter chegado a Xinjiang, ainda encontrou a aplicação no smartphone. Segundo essa fonte, os polícias pediram-lhe o telemóvel e o número de identificação. O telemóvel foi depois levado para uma sala afastada daquela onde o visitante estava. Só foi devolvido uma hora depois e trazia, no ambiente de trabalho, uma aplicação de símbolo verde, o ícone do Android e um nome com caracteres chineses.

Ao início, o visitante julgou que aquela aplicação era um localizador GPS. “No entanto, houve outro posto de controlo cerca de duas horas depois. Por isso pensei que talvez este estivessem a fazer o download das coisas e que tinham todos os analistas a analisá-las enquanto viajávamos. E que talvez enviassem pessoas de regresso quando chegássemos ao outro posto de controlo”, explicou ao The Guardian.

Edin Omanović, um dos líderes da campanha Privacy International, diz que esta descoberta é “altamente alarmante num país onde fazer o download de uma aplicação errada ou um artigo noticioso pode levá-lo para um campo de detenção”. “Este é mais um exemplo do motivo pelo qual o regime de vigilância em Xinjiang é um dos mais ilegais, difusos e draconianos do mundo”, adjetivou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)