Rádio Observador

Cão

Cruz Vermelha retira apoio a corrida de galgos depois de pressão nas redes sociais

389

A Cruz Vermelha retirou o apoio a uma corrida de galgos organizada pela delegação de Vila do Conde depois de a pressão chegar às redes sociais. Paróquia de Gueifães também cancela corrida de galgos.

JONAS GUETTLER/EPA

A Cruz Vermelha demarcou-se de uma corrida de galgos coorganizada pela delegação de Vila do Conde e inicialmente marcada para o dia 13 de julho. A decisão, comunicada através da respetiva página de Facebook, surge na sequência da polémica crescente nas redes sociais e surge um dia antes de as corridas de cães serem debatidas na Assembleia da República.

Ao Observador, Francisco George, presidente da Cruz Vermelha, confirmou a decisão de não participar na corrida de galgos, a qual tinha como objetivo angariar fundos para a instituição em causa. “A direção nacional comunicou à delegação de Vila do Conde que não concordava com aquela situação e, portanto, foi retirado esse apoio”, explicou Francisco George.

No comunicado entretanto divulgado pela Cruz Vermelha lê-se que, sendo esta uma entidade “humanitária não-governamental, de carácter voluntário e interesse público”, deliberou-se a não participação “na iniciativa ‘Corrida de Galgos’ anunciada para o próximo dia 13 de julho, em Vila do Conde”.

Saiba mais em www.cruzvermelha.pt

Posted by Cruz Vermelha Portuguesa – Pagina Oficial on Monday, July 1, 2019

A polémica em torno da corrida de galgos foi primeiramente protagonizada pela associação SOS Animal que, segundo o Diário de Notícias, emitiu um apelo a Francisco George para que este cancelasse a respetiva corrida. No Facebook, a SOS Animal fez saber que recebeu uma resposta por parte da Cruz Vermelha Portuguesa, onde esta afirma “que não é, nem nunca foi, promotora do evento, e que a Cruz Vermelha de Vila do Conde associou-se a este evento, publicitando-o como entidade parceira”.

???????????????????????????????????????? | ???????????????????????????? ???????? ???????????????????????? ???????????????? ????????????????????????????????A Cruz Vermelha Portuguesa já comunicou publicamente a sua não…

Posted by SOSAnimal – Grupo de Socorro Animal de Portugal on Monday, July 1, 2019

Na mesma nota, divulgada ao início da noite de segunda-feira, a SOS Animal escreve ainda:

Lamentamos no entanto que tal atividade seja legal em Portugal e que tenha sido possível associar o bom nome da Cruz Vermelha a uma atividade cruel. Apelamos aos deputados da Assembleia da República que tornem ilegal esta atividade, que na nossa opinião, viola grosseiramente a lei de proteção dos animais vigente em Portugal, uma vez que não estão asseguradas as regras básicas de bem estar animal e a segurança dos mesmos.

Para Sandra Cardoso, presidente da SOS Animal, “não faz qualquer sentido haver corridas de cães em Portugal. “Isto é uma coisa que nos preocupa bastante e que deve ser travada”, disse ao Observador.

Esta terça-feira, dia 2 de julho, as corridas de cães chegam à Assembleia da República, que vai discutir dois projetos de lei apresentados por Bloco de Esquerda e PAN, cujo objetivo é precisamente proibir as corridas de cães (e não apenas galgos). O partido Pessoas-Animais-Natureza pede pena de prisão até dois anos ou multa para os infratores. Segundo a revista Sábado, em Portugal existem seis pistas para corridas de galgos.

Paróquia de Gueifães cancela corrida de galgos

A paróquia de Gueifães, na Maia, cancelou a corrida de galgos que estava prevista acontecer a 20 e 21 deste mês, avança o Jornal de Notícias. O objetivo, à semelhança da corrida cancelada na segunda-feira pela direção nacional da Cruz Vermelha, era angariar fundos para as obras da igreja.

A corrida foi, no entanto, alvo de grande polémica na comunidade, pelo que o padre Orlando Santos escreveu, num texto publicado no Facebook, que “para sossego de tantos ânimos” a “famigerada corrida de galgos” estava cancelada. O jornal já citado destaca o tom irónico da mensagem escrita pelo padre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)