Rádio Observador

Nações Unidas

ONU aponta “várias omissões” e pede revisão da lei sobre VIH/sida em Angola

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento defende a revisão da Lei sobre o VIH/sida em Angola. ONU diz que lei contém omissões como a "vulnerabilidade das mulheres e raparigas" à infeção.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) defende a revisão da lei sobre o VIH/sida em Angola por conter “várias omissões”, nomeadamente a “vulnerabilidade das mulheres e raparigas” em relação à infeção pelo VIH.

O posicionamento vem expresso num documento distribuído esta terça-feira, em Luanda, durante um workshop sobre “Avaliação do Ambiente Jurídico VIH/Sida e Direitos em Angola”, promovido pelo PNUD em parceria com o Instituto Nacional de Luta contra Sida (INLS) angolano.

O INLS anunciou, em maio, que pelo menos 13.000 pessoas morrem anualmente, em Angola, vítimas da doença e que das 310.000 pessoas vivendo com VIH/Sida no país, cerca de 27.000 são crianças, 190.000 mulheres e 21.000 grávidas.

Segundo o PNUD, apesar da Constituição angolana consagrar o direito à igualdade e a não discriminação como princípios fundamentais do Estado Democrático e de Direito, a Lei 8/04 sobre o VIH/Sida no país é igualmente “omissa na questão relativa à igualdade do género”.

Refere que apesar de a lei, aprovada há 15 anos, garantir a toda a pessoa infetada pelo VIH/Sida alguns direitos como a assistência sanitária pública gratuita”, a mesma “não considera a questão da vulnerabilidade das mulheres e raparigas em relação à infeção ao VIH”.

Adotar “medidas legislativas que visem a igualdade de género e rever a lei sobre o VIH/Sida de modo a reconhecer as mulheres como um grupo vulnerável” são algumas das recomendações plasmadas no documento.

Para o PNUD, a revisão do referido diploma legal “poderá observar as sugestões da Lei Modelo para o VIH da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral [SADC]”.

De acordo com o documento, datado de Julho de 2019, a revisão da Lei 8/04 deve ter em vista também a “proteção das mulheres contra a discriminação”, bem como “garantir a autonomia da mulher em relação às suas decisões sobre a sua saúde sexual e reprodutiva segundo dos padrões do direito internacional”.

No domínio das “Lacunas e Desafios”, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em Angola aponta igualmente “omissões” da Lei 25/11, contra a violência doméstica, referindo que a sua implementação “é ainda insuficiente”.

“Por falta de recursos financeiros e humanos, insuficiência de infra-estruturas e outros elementos instrumentais nos setores da Saúde, da Ordem Interior e da Justiça”, observa, adiantando que “não existem disposições efetivas que permitam o empoderamento da mulher”.

“A eliminação da violência sofrida pelas mulheres através das autoridades policiais constitui um desafio ainda maior. Este desafio verifica-se na impunidade destas autoridades perante atitudes violentas contra as mulheres”, aponta.

O documento apresenta a “Situação, Padrão Internacional, Direito Angolano e Lacunas e Desafios” do VIH/Sida no país e esteve em apreciação nesse workshop, que decorre até quarta-feira, em Luanda, congregando membros da sociedade civil, do sistema das Nações Unidas, de departamentos ministeriais e deputados angolanos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)