Rádio Observador

Segurança Rodoviária

Primeiro semestre com mais mortos e feridos nas estradas, mas menos acidentes

Entre 1 de janeiro e 30 de junho morreram 224 pessoas nas estradas, mais seis do que no período homólogo e foram registados 994 feridos graves, mais 101 do que nos primeiros seis meses de 2018.

O distrito de Lisboa foi o distrito com mais feridos graves (155)

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O número de mortos nas estradas portuguesas subiu nos primeiros seis meses do ano relativamente ao período homólogo, bem como o número de feridos graves, apesar de se terem registado menos acidentes, segundo dados provisórios oficiais.

De acordo com o último balanço da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), entre 1 de janeiro e 30 de junho deste ano morreram 224 pessoas nas estradas portuguesas, mais seis do que no período homólogo (218).

No mesmo período foram registados 994 feridos graves, mais 101 do que nos primeiros seis meses de 2018.

Entre 01 de janeiro e 30 de junho deste ano registaram-se 63.058 acidentes, menos 382 do que em igual período do ano passado (63.440).

A ANSR indica também que 19.415 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, mais 318 do que em igual período do ano passado (19.097).

O balanço da ANSR, que reúne dados da GNR e PSP, destaca também que na última semana de junho (22 a 30 de junho) morreram nas estradas sete pessoas e 52 ficaram feridas com gravidade.

Os dados da ANSR indicam igualmente que entre 01 de julho de 2018 e 30 de junho de 2019, o número de mortos nas estradas aumentou para 514 (mais 21 relativamente ao período 01 de julho de 2017 a 30 de junho de 2018), enquanto o de feridos graves subiu para 2.242 (mais 154).

No primeiro semestre deste ano, o distrito com maior número de mortos resultantes de acidentes foi o do Porto (com 23), seguido de Braga (22), Lisboa (20), Aveiro (19) e Faro (17).

O distrito de Lisboa foi o distrito com mais feridos graves (155), seguido do Porto (98), Faro (94) e de Santarém (90).

Os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária dizem respeito aos mortos cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)